Paraná

Policial que matou cachorro com um tiro vai responder por maus-tratos

O delegado que investiga o caso informou que os maus-tratos ficaram comprovados porque o policial "vai atrás do cachorro para chutar e depois dar o tiro", conforme exposto em imagens feitas por uma câmera de segurança

Reprodução
Reprodução

O policial militar que tirou a vida de um cachorro com um tiro na última segunda-feira (22) na cidade de Fazenda Rio Grande, no Paraná, responderá pelo crime de maus-tratos a animais.

“O policial veio acompanhado do superior hierárquico dele e do seu advogado. Ele alega que se defendeu de uma injusta agressão. Que já havia sido mordido pouco antes e foi atacado novamente. Mas é caso de maus tratos. Ele vai atrás do cachorro para chutar e depois dar o tiro. Já encaminhei o procedimento para Justiça e a Corregedoria”, disse ao portal Tribuna PR o delegado Matheus Laiola.

Imagens mostram o policial conversando com um homem em uma residência. Ele mostra o tornozelo e conta que foi mordido. Em seguida, o cachorro passa pelo portão e avança no policial, que chuta e atira nele.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Pipoco era um cachorro comunitário que recebia cuidados da vizinhança. “O Pipoco estava sempre ao lado de outro cachorro, o Pipoca. Esse nós vamos lá resgatar”, disse o delegado.

O advogado do PM, Rogério Nogueira, afirmou que o cão não vivia na rua. Segundo ele, o animal era tutelado pelo homem com o qual o policial conversou antes de atirar.

“Ele havia passado uma vez na rua e foi mordido no tornozelo. Depois, voltou para tentar localizar o dono e o cachorro avançou de novo. Então, ele esperou para ver de quem era o cão. Quando ele viu o animal entrando na residência, foi avisar o proprietário para tomar cuidado, pois o cachorro poderia avançar em mais pessoas. Os dois tiveram uma discussão e o dono soltou o cachorro para avançar nele”, disse.

Ao ser questionado pelo portal Tribuna PR sobre a necessidade de matar o cachorro, Nogueira disse que o policial prestou socorro após atirar, que gosta de cães e está abalado.

A Polícia Militar publicou nota sobre o caso, informando que “além do Inquérito Policial feito pela Polícia Civil, o batalhão instaurou um procedimento administrativo para apurar os fatos na esfera disciplinar”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui