Escolhas éticas

Paul McCartney pede que carne não seja mais item obrigatório nas merendas escolares

Divulgação
Divulgação

Sir Paul McCartney e suas filhas Stella e Mary se juntaram a uma campanha para mudar a orientação que torna obrigatório servir peixe, carne e laticínios na merenda escolar na Inglaterra.

Os McCartneys, fundadores da iniciativa Meat-Free Monday (segunda-feira sem carne), querem ver as crianças em idade escolar tendo mais oportunidades de escolher refeições veganas amigáveis ao clima.

Eles assinaram uma carta enviada ao Secretário de Educação inglês, Gavin Williamson, que foi escrita como parte do processo de consulta pública do programa National Food Strategy (Estratégia Alimentar Nacional), uma iniciativa histórica de revisão do sistema alimentar britânico.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Essa estratégia é uma oportunidade de rever as School Food Standards (Normas Alimentares Escolares), que tornam obrigatório que se sirva peixes, carnes e laticínios, para poder substituí-los por diretrizes nutricionais “que permitam que as escolas sejam mais flexíveis”.

Em um comunicado, os McCartneys disseram: “Ninguém precisa comer carne, por isso não deve ser obrigatório servi-la nas escolas. É hora de rever as normas alimentares escolares para ajudar o planeta, poupar animais e promover uma alimentação saudável.”

A campanha para mudar as normas “ultrapassadas” é liderada pelo People for the Ethical Treatment of Animals (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais, em tradução livre). Seus líderes apontam para uma pesquisa de 2019 que revelou que 70% das crianças britânicas querem mais refeições veganas em seus cardápios escolares. “À medida que o mundo enfrenta duas crises: da saúde e do clima, tornar-se vegano é uma das melhores coisas que os jovens podem fazer pelos animais, pelo planeta e pela própria saúde”, disse o PETA.

A carta, que também foi apoiada pelo Greenpeace e pela Royal Society for Public Health (Sociedade Real pela Saúde Pública), argumenta que as normas são muito restritivas desnecessariamente. “Desde que as necessidades nutricionais estejam sendo atendidas, os fornecedores escolares individuais devem ter a liberdade de decidir se desejam incluir carne e laticínios em seus cardápios.”

O plano atual de alimentação escolar estabelece que os laticínios devem ser servidos diariamente; que carne e aves devem ser servidas três ou mais vezes por semana; que proteínas não derivadas do leite para vegetarianos devem ser servidas pelo menos três vezes por semana; e que os peixes oleosos devem ser servidos pelo menos uma vez a cada três semanas.

Bridget Benelam, porta-voz da Fundação Britânica de Nutrição, disse que é vital que as escolas forneçam refeições nutritivas. “É possível, embora desafiador, montar cardápios para crianças sem produtos de origem animal que, ainda assim, forneçam todos os nutrientes essenciais necessários para que as crianças e jovens cresçam e sejam saudáveis, e há muitos aspectos positivos de ter uma dieta mais baseada em vegetais”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui