Covid-19

Níveis atmosféricos de CO2 aumentam acentuadamente apesar do lockdown

Cientistas descobrem que crise do coronavírus teve pouco impacto na tendência geral de concentração

Pixabay
Pixabay

Os níveis de dióxido de carbono na atmosfera subiram fortemente para um novo pico este ano, apesar do impacto dos efeitos globais da crise causada pelo coronavírus.

A concentração de CO₂ na atmosfera atingiu 417,2 partes por milhão em maio, 2,4ppm acima do pico de 414,8ppm em 2019, de acordo com leituras do observatório Mauna Loa nos EUA.

Sem os lockdowns mundiais destinados a retardar a disseminação do Covid-19, o aumento poderia ter atingido 2,8ppm, de acordo com Ralph Keeling, professor do Scripps Instituto de Oceanografia. Ele disse que era provável que eles tivessem desempenhado um pequeno papel, mas que a diferença era muito pequena para aparecer contra outros fatores que causam flutuações ano a ano.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“As pessoas podem se surpreender ao saber que a resposta ao surto de coronavírus não fez muito para influenciar os níveis de CO₂”, disse ele. “Mas o acúmulo de CO₂ é como lixo em um aterro sanitário. À medida que continuamos emitindo, ele continua se acumulando. A crise diminuiu as emissões, mas não o suficiente para aparecer perceptivelmente em Mauna Loa. O que importará muito mais é a trajetória que seguimos ao sair dessa situação.”

As emissões diárias de dióxido de carbono caíram em média 17% em todo o mundo no início de abril, de acordo com um estudo abrangente realizado no mês passado. À medida que os lockdowns são amenizados, no entanto, é provável que a queda nas emissões para o ano em sua totalidade seja apenas entre 4% e 7% em comparação com 2019.

Isso não fará nenhuma diferença significativa na capacidade do mundo de cumprir as metas do Acordo de Paris e manter o aquecimento global abaixo do limiar de 2C, que os cientistas dizem ser necessário para evitar efeitos catastróficos. Se as reduções de emissões de 20% a 30% forem mantidas por seis a 12 meses, a taxa de aumento de CO₂ medida em Mauna Loa diminuiria, de acordo com os cientistas da Scripps.

O aumento deste ano é um pouco mais fraco que o do ano passado, mas corresponde ao crescimento anual médio da última década. A quantidade de carbono flutua com base em vários fatores, incluindo os efeitos do sistema climático El Niño no Pacífico.

O dióxido de carbono tende a atingir o pico a cada ano no final de maio, quando os impactos da primavera no hemisfério norte ainda não surtiram efeito, então os dados do mês são comparados ano após ano. As medições são realizadas continuamente no remoto observatório de Mauna Loa, no Havaí, desde 1958, fornecendo informações vitais para os cientistas climáticos.

Os dados mais recentes vêm de cientistas da Scripps da Universidade de Califórnia em San Diego e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA. Eles descobriram que os níveis de dióxido de carbono na atmosfera aumentaram acima de 400 ppm em 2014. A taxa anual de crescimento das emissões está acelerando.

Na década de 1960, o crescimento anual foi de cerca de 0,8ppm, dobrando para 1,6ppm por ano na década de 1980 e permanecendo estável em 1,5ppm em 1990. A taxa média de crescimento aumentou para cerca de 2,0ppm por ano nos anos 2000 e aumentou ainda mais para cerca de 2,4ppm durante a última década.

Ativistas ambientais disseram que o aumento contínuo das emissões mostra o quão urgente é necessária uma recuperação ecológica da crise do Covid-19. John Sauven, diretor-executivo do Greenpeace do Reino Unido, pediu ao governo britânico que fizesse mais como anfitrião das próximas negociações climáticas da ONU, a Cop26, agora adiada para 2021.

“Apenas alguns meses de emissões mais baixas provavelmente não causariam impacto as centenas de bilhões de toneladas de carbono que se acumularam ao longo de um século e meio de queima de combustíveis fósseis”, disse ele.

“É por isso que a queda nas emissões causadas pela pandemia será apenas um pontinho, a menos que os governos levem a sério a construção de um mundo mais limpo, saudável e seguro”.

Muna Suleiman, ativista da Friends of the Earth, disse: “Está claro que a crise climática não é uma ideia distante, está aqui agora e temos que tratá-la como a emergência que representa.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui