Crime ambiental

Fragmentos de óleo voltam a aparecer em praias de estados nordestinos

Os resíduos de óleo encontrados neste mês na Bahia, em Pernambuco e em Alagoas

Divulgação/Ibama
Divulgação/Ibama

Fragmentos de óleo reapareceram em praias de três estados nordestinos desde 19 de junho, após 10 meses do crime ambiental ainda não solucionado que, em agosto de 2019, contaminou o litoral brasileiro com a substância. Toneladas de óleo foram retiradas de mais de mil localidades no país.

Os resíduos de óleo encontrados neste mês na Bahia, em Pernambuco e em Alagoas, segundo análise do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreiro (IEAPM), do Rio de Janeiro, têm os “perfis químicos compatíveis com o material que atingiu a costa brasileira, sobretudo no Nordeste, em 2019”.

“Com base no exame realizado, a chegada desse material deve consistir na reincidência de segmentos oleosos que não tinham sido anteriormente identificados durante as ações de resposta”, afirmou a Marinha do Brasil, em nota.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Esse ressurgimento, ainda segundo o comunicado, possivelmente tem relação com “fatores meteorológicos, como alterações no regime de ventos e marés, que acabaram por revolver sedimentos e possibilitaram o ressurgimento desses fragmentos neste último final de semana”.

A Capitania dos Portos da Bahia (CPBA) informou ainda que resíduos de óleo também surgiram na praia de Piatã, em Salvador (BA), em 25 de junho, e serão periciados pelo Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreiro. A CPBA disse anda que segue monitorando as praias baianas.

Resíduos também foram encontrados por moradores sergipanos no estado recentemente. Em março, a substância foi identificada em 135 praias no Maranhão, no Rio Grande do Norte, em Pernambuco, em Alagoas, em Sergipe, na Bahia, no Espírito Santo e no Rio de Janeiro.

O crime ambiental impactou o meio ambiente de maneira negativa e afetou muitos animais, como tartarugas, aves e peixes, além de corais. Dados oficiais contabilizam a morte de dezenas de animais. Muitos outros devem ter morrido sem que as mortes tenham sido contabilizadas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui