Gases do efeito estufa

Emissões de 13 empresas de laticínios correspondem às emissões de todo o Reino Unido

O impacto climático dos gigantes do leite aumenta e são necessários limites de produção, afirmam pesquisadores

Pixabay
Pixabay

As maiores empresas de laticínios do mundo têm as mesmas quantidades de emissões de gases do efeito estufa que o Reino Unido, a sexta maior economia mundial, de acordo com um novo relatório.

A análise mostra que o impacto das 13 empresas na crise climática está crescendo, com um aumento de 11% nas emissões nos dois anos após o acordo de mudança climática de Paris em 2015, em grande parte devido à consolidação do setor. Relatórios científicos mostraram que o consumo de laticínios, bem como de carne, deve ser reduzido significativamente nos países ricos para enfrentar a emergência climática.

O relatório, do Instituto de Agricultura e Política Comercial (IATP) dos EUA, também diz que o crescimento de grandes empresas de laticínios ajudou a forçar os preços do leite abaixo ao custo de produção na última década, causando uma crise nos meios de subsistência rurais e exigindo dos contribuintes subsídios para manter os agricultores à tona. Os pesquisadores dizem que os limites à produção devem ser reintroduzidos para proteger o clima e os pequenos agricultores.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Ao contrário do crescente escrutínio público das empresas de combustíveis fósseis, existe pouca pressão pública para responsabilizar as empresas globais de carnes e laticínios por suas emissões”, disse Shefali Sharma, diretora europeia da IATP e autora do relatório. “Poucas dessas empresas estão relatando suas emissões.”

“À medida que os governos aumentam suas metas climáticas, o aumento da produção leiteira em larga escala e dos incentivos públicos que aumentam a energia, a produção e as emissões das empresas de laticínios devem ser interrompidos”, disse ela. “Os meios de subsistência rurais e o futuro do nosso planeta depende disso.”

Representantes da indústria de laticínios disseram que o relatório não reflete a realidade do setor de laticínios. Em uma declaração conjunta, Judith Bryans, presidente da International Dairy Federation, e Donald Moore, diretor-executivo da Global Dairy Platform, disseram: “O setor de laticínios está comprometido em produzir alimentos nutritivos de maneira ambientalmente saudável e responsável”.

“É muito fácil elaborar um relatório que critica e tenta criar uma imagem simples de um setor sem conter todas as nuances ou realidades de como o setor global de laticínios nutre o mundo com alimentos seguros e ricos em nutrientes, e faz isso procurando sempre por melhorias ambientais contínuas, ao mesmo tempo em que fornece meios de subsistência a uma grande porcentagem da população mundial”, disseram Bryans e Moore.

Um relatório conjunto de 2019 da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Plataforma Global de Laticínios disse: “Para limitar o aumento da temperatura climática, o setor de laticínios deve reduzir suas emissões de gases de efeito estufa e trabalhar em direção a um futuro de baixo carbono… Há razões claras para uma ação imediata e mais ambiciosa”.

Ele disse: “As emissões do setor [lácteo] aumentaram 18% entre 2005 e 2015, porque a produção geral de leite cresceu substancialmente em 30%. A boa notícia é que existem muitas oportunidades no setor para limitar as mudanças climáticas, reduzindo as emissões. Embora exista alguma incerteza sobre o tamanho e o momento das mudanças, é certo que isso está acontecendo.”

Mais de 90% das emissões das indústrias de laticínios corporativas são produzidas pelas próprias vacas, principalmente na forma de metano. Pesquisas mostram que todos os leites à base de plantas, como soja e aveia, resultam em muito menos emissões que o leite da vaca.

O relatório da IATP constatou que as emissões das grandes empresas aumentaram de 306 milhões de toneladas equivalentes de CO₂ em 2015 para 338 milhões de toneladas em 2017. As emissões anuais do Reino Unido são de 350 milhões de toneladas por ano.

A consolidação na indústria de laticínios viu quatro das cinco fazendas leiteiras fecharem na UE entre 1981 e 2013 e 93% das fazendas familiares fecharem nos EUA desde os anos 1970. “Você precisa crescer ou sair”, disse Sharma. “O argumento principal é que esse setor gera superprodução e preços baixos, o que cria demanda, e tem poder de marketing, o que também cria demanda. A demanda não acontece apenas por acidente. ”

“Existe um apoio crescente ao gerenciamento de suprimentos, uma política crucial que pode resolver as crises gêmeas do laticínio. Impede a superprodução, equilibra a oferta e a demanda e estabiliza os preços”, afirmou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui