Reino Unido

Começa a construção da maior bateria de ar líquido do mundo

Foto: Highview Power
Foto: Highview Power

Está começando a construção da maior bateria de ar líquido do mundo, que armazenará eletricidade renovável e reduzirá as emissões de carbono de usinas de combustível fóssil.

O projeto perto de Manchester, no Reino Unido, utilizará energia ecológica de reservas para comprimir o ar em um líquido e armazená-lo. Quando a demanda é maior, o ar líquido é liberado de volta para um gás, alimentando uma turbina que coloca a mesma energia ecológica novamente na rede.

Uma grande expansão da energia eólica e solar é vital para enfrentar as emergências climáticas, mas elas nem sempre estão disponíveis. Portanto, o armazenamento é essencial e o novo projeto será o maior do mundo depois dos sistemas de hidro-bombagem, que exigem um reservatório nas montanhas para armazenar água.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A nova bateria de ar líquido, desenvolvida pela Highview Power, deve entrar em operação em 2022 e poderá abastecer até 200 000 residências por cinco horas e armazenar energia por muitas semanas. Baterias químicas também são necessárias para a transição para um mundo sem emissões de carbono e seus preços estão caindo, mas só podem armazenar quantidades relativamente pequenas de eletricidade por curtos períodos.

Baterias de ar líquido podem ser construídas em qualquer lugar, disse o executivo-chefe da Highview, Javier Cavada: “O ar está em todo o mundo. O principal concorrente não é realmente outras tecnologias de armazenamento, mas combustíveis fósseis, já que as pessoas ainda querem continuar construindo usinas a gás e carvão, por incrível que pareça ”, disse ele.

O governo do Reino Unido apoiou o projeto com uma doação de 10 milhões de euros — cerca de 68 milhões de reais. Kwasi Kwarteng, ministro de Energia e Crescimento Limpo, disse: “Esta nova instalação revolucionária será parte essencial de nosso esforço em direção ao zero líquido, trazendo maior flexibilidade à rede elétrica britânica e criando empregos bioecológicos na Grande Manchester.”

“Projetos como esse nos ajudarão a perceber todo o valor de nossas energias renováveis ​​em escala mundial, garantindo que residências e empresas ainda possam ser alimentadas por energia ecológica, mesmo quando o sol não está brilhando e o vento não está soprando”, disse ele.

O governo do Reino Unido está sendo estimulado a tornar ecológica a recuperação econômica da pandemia de coronavírus. “Devemos às gerações futuras uma recuperação melhor”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson, enquanto o chanceler Rishi Sunak está planejando uma “revolução industrial ecológica”.

Alex Buckman, especialista em armazenamento de energia do grupo Energy Systems Catapult, disse que as usinas de gás poluidoras eram a principal maneira de equilibrar a rede elétrica do Reino Unido. Porém, um sistema líquido sem emissões de carbono precisaria de mais do que os 30% de energia renovável de hoje e, portanto, mais armazenamento.

“Provavelmente haverá uma necessidade de uma ou mais tecnologias de armazenamento de eletricidade de duração média a longa para preencher uma lacuna no mercado, e o armazenamento de energia de ar líquido (LAES) está lá em cima como uma opção”, ele disse.

A hidrelétrica bombeada é limitada pela necessidade de um reservatório de montanha, enquanto o armazenamento por gravidade — onde você aumenta um peso e depois deixa cair para alimentar um gerador — é menos desenvolvido, assim como a produção em larga escala de combustível de hidrogênio a partir de energia sustentável.

“A combinação de ser mais desenvolvido e mais escalável oferece ao LAES uma oportunidade de ser competitivo, se eles puderem provar que podem reduzir custos com maior escala”, disse Buckman.

A bateria Highview armazenará 250 MWh de energia, quase o dobro da quantidade armazenada pela maior bateria química, fabricada pela Tesla no sul da Austrália. O novo projeto está localizado no Trafford Energy Park, também sede da usina movida a gás de Carrington e de uma usina de carvão fechada.

O projeto custará 85 milhões de euros (R$512 milhões) e a Highview recebeu em fevereiro €35 milhões (R$233,6 milhões) de investimento da Sumitomo, empresa gigante de máquinas japonesas. A bateria de ar líquido está criando 200 empregos, principalmente na construção civil, e empregando ex-engenheiros de petróleo e gás, com algumas dezenas em operação contínua. Espera-se que a vida útil da usina seja de 30 a 40 anos. “Passará para a próxima geração”, disse Cavada.

A Highview está desenvolvendo outros locais no Reino Unido, Europa continental e EUA, inclusive em Vermont, mas o projeto de Manchester será o primeiro. “O primeiro é definitivamente o mais importante e é por isso que realmente valorizamos a ousada iniciativa do governo do Reino Unido de usar sua tecnologia para resolver problemas do país e depois exportar a tecnologia globalmente”, disse Cavada.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui