Proteção animal

Ativista denuncia maus-tratos a pit bulls criados por youtuber no RS

Vídeos mostram brigas entre os cães e soltura de fogos de artifício dentro do canil

Reprodução/Instagram/Leandro Ferro
Reprodução/Instagram/Leandro Ferro

O ativista pelos direitos animais Leandro Ferro usou suas redes sociais para denunciar o youtuber Ricardo Pinheiro, proprietário do “Pinheiro Bull Kennel”, onde cria cães da raça pit bull no Rio Grande do Sul. Após ter acesso aos vídeos publicados por Ricardo, o ativista apontou situações de maus-tratos as quais os cachorros são submetidos.

O canil tem 254 mil inscritos no YouTube. No canal, há vídeos com mais de 100 mil visualizações. Com grande alcance, Ricardo expõe imagens que revelam maus-tratos, segundo Leandro Ferro, como o vídeo no qual o tutor dos animais aparece soltando fogos dentro do canil. O ruído alto é prejudicial para os cães, conforme alertado por veterinários, e os deixa estressados – havendo risco, inclusive, de parada cardíaca.

Imagens também revelam brigas entre os cachorros e situações provocadoras de estresse. Em um dos vídeos, Ricardo e seu amigo João simulam um assalto para observar a reação dos cães. “Quando tu vir, tu mete o terror tá, João? Começa a espancar aí o muro”, pede o tutor, sem se importar em causar estresse aos animais.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Num primeiro momento, os cães não têm nenhuma reação agressiva. Ricardo, então, traz outro cachorro. Desta vez, o tutor sobe em cima do muro e usa um pano e uma arma falsa para provocar o animal, que reage para se defender e morde o pano, ficando pendurado no muro.

Dentre os muitos vídeos publicados no canal, registros de brigas entre os cães podem ser encontrados. A forma como Ricardo trata a situação mostra uma aparente satisfação pelas brigas, já que elas atraem público para assistir as imagens. Esse posicionamento do tutor dos cães fica claro, inclusive, no título de um dos vídeos, denominado “as monsters pegaram raiva e brigaram”.

Os cães, que são criados dentro de pequenos canis, também participam de vídeos que mostram passeios nas ruas. Em um deles, Ricardo aproxima um dos pit bulls de um cachorro da raça dogo argentino. Os animais ficam visivelmente estressados na presença um do outro, mas Ricardo e seus amigos continuam, repetidas vezes, aproximando-os. Em determinado momento, ele faz menção ao porte grande do dogo argentino e diz que ele é uma “máquina de destruição”. Ao final do vídeo, Ricardo diz que o passeio não vai dar certo e que será finalizado para que um acidente não ocorra.

Tanto nas imagens feitas nos canis, como no passeio realizado com o pit bull e o dogo argentino, é reforçada, de maneira equivocada, a imagem de “cão bravo” dos animais, o que colabora para o preconceito contra as raças – especialmente contra os pit bulls, que já são bastante estigmatizados. Esses cães, no entanto, não são “máquinas de destruição” e apresentam comportamento dócil desde que criados com afeto e responsabilidade.

Na opinião de Leandro Ferro, a situação é gravíssima. “Nos ajude denunciando o canal de YouTube – Pinheiro Bull Kennel – e o perfil de Instagram @ricardo_pinheeiro“, pediu o ativista, que também é estudante de direito.

“O canal é um amontoado de maus-tratos animais, todos mutilados, em canis minúsculos passando por situações como as mostradas nesse vídeo. ONGs gaúchas que queiram somar esforços, entrem em contato comigo”, completou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Leandro Ferro (@leandro_ativista) em


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui