Vida ceifada

Caçadores usam lança para matar gorila ameaçado de extinção

O crime representa um retrocesso na luta pela preservação da espécie

Rafiki, que aparece ao lado de uma fêmea na foto, foi morto por caçadores (Foto: Allan Carlson/WWF)
Rafiki, que aparece ao lado de uma fêmea na foto, foi morto por caçadores (Foto: Allan Carlson/WWF)

Rafiki, um gorila-das-montanhas de 25 anos que vivia Parque Nacional da Floresta Impenetrável de Bwindi, em Uganda, teve sua vida ceifada por caçadores. Ameaçado de extinção, o animal foi morto ao ter uma lança fincada em sua barriga.

O crime representa um retrocesso na luta pela preservação da espécie. Desde 2011, gorilas-das-montanhas não eram mortos por caçadores.

Líder de um bando de gorilas desde 2008, Rafiki sofreu ferimentos em seus órgãos internos, conforme comprovou exame de autópsia. As informações são de uma reportagem de Jack Losh, do National Geographic Brasil.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O gorila desapareceu em 1º de junho. No dia seguinte, foi encontrado morto, com o corpo mutilado. Um dos caçadores foi encontrado por guardas florestais em um vilarejo próximo, munido de armadilhas, uma lança, sinos para prender nas coleiras de cães explorados para caçar animais, além de carne de caça. Ao ser questionado, ele confessou o crime e disse que matou o gorila para se defender enquanto caçava antílopes com outros três homens. Eles podem ser condenados à prisão perpétua ou multa de US$ 5,4 milhões caso sejam considerados culpados pela Justiça.

Diretora do Programa Internacional de Conservação de Gorilas, Anna Behm Masozera afirmou ao National Geographic que Rafiki e sua família buscavam alimentos fora dos limites do parque, tornando-se “um símbolo de convívio harmônico” com as pessoas.

“A morte de Rafiki e as circunstâncias que a envolvem são devastadoras. Ele era o único macho maduro desse bando emblemático”, disse Masozera.

E a situação pode ficar pior por conta da pandemia de coronavírus. Com os parques nacionais fechados, perdeu-se a principal renda voltada à preservação dos gorilas, que era obtida por meio do ecoturismo. Além disso, conservacionistas e oficiais do governo alertam para o risco da população caçar animais por desespero, devido à crise. “Os gerentes do parque de toda a área de ocorrência dos gorilas-das-montanhas estão alertando para atividades humanas acima do normal, muitas delas ilegais”, reforçou Masozera.

E a presença de caçadores nos parques é prejudicial aos animais não só pelos risco de serem mortos, mas também pela possibilidade de uma pessoa contaminada pelo coronavírus ter contato com os macacos, que podem contrair a doença respiratória por conta da semelhança genética com os humanos.

Apesar desse cenário alarmante, há esperança para a espécie. Atualmente existem mais de mil gorilas-das-montanhas, divididos em duas populações principais em Bwindi e em uma rede de parques na área de vulcões extintos de Virunga. O número é prova da capacidade de recuperação da espécie, que foi dizimada na década de 1980, após décadas de caça e guerra civil, chegando a cerca de 350 animais. Em 2018, o status da espécie, antes considerada criticamente ameaçada, passou para ameaçada, conforme atualização da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Para isso, foi necessário trabalhar em conjunto com comunidades locais e apoiar suas iniciativas de ecoturismo, segundo Masozera. Mas a falta de turistas, por causa da pandemia, prejudicou as pessoas que necessitam do ecoturismo para sobreviver – como carregadores de malas, lojistas, funcionários de hotéis, entre outros. Alguns deles podem recorrer à agricultura de subsistência, mas também há insegurança quanto a isso, já que a estação seca reduzirá a produção agrícola.

No que se refere à morte de Rafiki, conservacionistas temem que a perda do líder do bando fragmente a família dele, conhecida como Nkuringo. “Os dorsos prateados, como Rafiki, desempenham um papel muito importante na estabilidade e coesão do bando, de modo que essa perda surtirá um grande impacto sobre o bando”, afirmou Cath Lawson, primatologista e gerente regional especializada na África Oriental da organização não governamental WWF do Reino Unido. “Sua morte é trágica”, completou.

Além disso, existe a possibilidade de outro gorila de dorso prateado assumir a liderança, mas não ser habituado às pessoas, o que poderia afastar os turistas, reduzindo a arrecadação de recursos voltados à conservação da espécie e prejudicando a economia da região, o que poderia abrir ainda mais espaço para novas atividades ilegais de caça.

Em outras situações vivenciadas no passado, famílias se dispersaram após a morte dos líderes de dorso preteado. Com isso, filhotes podem acabar sendo mortos por outros líderes de dorso preteado nos novos bandos.

Todas as dificuldades, no entanto, não desanimam os conservacionistas, que seguem dispostos a lutar pela preservação desses animais. “É uma perda. Mas o convívio pacífico é uma empreitada incessante que não é alcançada da noite para o dia”, concluiu Masozera.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui