Isolamento social

Com humanos em quarentena, 15 tubarões nadam perto de praia no RJ

A redução dos transtornos causados aos animais pela presença de pessoas e embarcações na praia fez os tubarões se sentirem seguros para desfrutar de seu habitat

Reprodução/Instagram/@luxxboat
Reprodução/Instagram/@luxxboat

Um grupo de 15 tubarões foi visto em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, na última terça-feira (12). Os animais, da espécie tubarão-galha-preta, aproveitaram a ausência de humanos, por conta da quarentena de combate ao coronavírus, e se aproximaram da praia. A ausência de embarcações, barulho, turistas e pescadores trouxe tranquilidade para os tubarões chegarem a uma distância pequena da faixa de areia.

Imagens dos animais (confira abaixo) foram feitas pelo empresário Cesar Duarte, que testava um jet-ski nas proximidades da Praia do Laboratório quando viu os tubarões. Usando um drone, ele os filmou.

Atuando no ramo de passeios de barco em Angra – atividade paralisada no momento por conta da pandemia -, Duarte é acostumado a ver tubarões no mar, mas em menor quantidade.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Todo ano os tubarões aparecem. Mas eram sempre dois, três juntos. Ontem, eram 15. Alguns pulavam na água. Nunca vi tantos tubarões juntos, muito menos perto da praia”, afirmou o empresário, em entrevista ao jornal Extra. “Pode ser que haja influência da quarentena, porque não há tanto movimento de barcos no mar. As operações de passeio, com exceção dos barcos privados, estão proibidas”, completou.

O professor do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Une) Otto Gadig, que é especialista em tubarões, confirmou ao jornal que as aparições desses animais nas praias estão mais comuns por conta da quarentena. E, segundo ele, isso não representa nenhum perigo aos humanos.

“Estamos constatando um aumento no número de avistamentos de tubarões, e não no número de tubarões. Para haver mais tubarões precisaríamos de muitos anos sem ter pesca. Porque eles demoram muito para repor a população. São animais com reprodução lenta. O que está acontecendo é que eles estão tendo uma folga com um pouco menos de pesca e com menos gente de alguma forma causando alguma perturbação no ambiente deles. Os tubarões são animais muito tímidos e relutantes à presença humana, que agora estão mais à vontade por causa da menor circulação de pessoas. Por isso, são vistos se aproximando mais das praias”, explicou.

Em relação à cidade de Angra dos Reis, os tubarões-galha-preta são atraídos também pela água quente da região, influenciada pela atividade da Usina Nuclear. De grande porte, esses animais chegam a medir quase três metros.

Outros avistamentos

Há poucos dias, um tubarão-baleia, que pode medir até 12 metros, foi filmado nas proximidades da Ilha Mãe, em frente à Praia de Itaipu, em Niterói (RJ).

Segundo Gadig, assim como animais da fauna terrestre, os que vivem no mar também estão aparecendo com maior frequência por conta do isolamento social imposto aos humanos.

“Os tubarões-baleia nessa época aparecem com mais frequência no litoral Norte de São Paulo e no Rio. Mas tínhamos registros de um, dois. Agora, já foram de 8 a 9, com filmagens de quase todos. Em Barra de Guaratiba há poucos dias um chegou pertíssimo das pedras. A explicação também está na menor perturbação no ambiente”, disse.

Vídeos de outros tubarões em Angra dos Reis e fotos de um tubarão-mako, encontrado morto na Praia do Aventureiro, em Ilha Grande (RJ), também circulam pela internet.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Passeios Náuticos em Angra (@luxxboat) em


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui