Direitos animais

China tira cães da lista de animais que podem ser explorados para consumo

O governo chinês afirmou que "as ideias de civilização e hábitos alimentares estão em constante mudança e alguns costumes tradicionais sobre cachorros também vão mudar"

Reprodução/Incygneia/Pixabay
Reprodução/Incygneia/Pixabay

A China retirou os cachorros da lista de animais que podem ser criados, negociados e transportados para fins comerciais. A medida, que faz com que os cães deixem de ser considerados animais para consumo, foi executada durante atualização do Diretório de Recursos Genéticos Para Pecuária e Agricultura.

No mês passado, a China já tinha anunciado que cães não eram mais vistos como animais para consumo. O país decidiu passar a vê-los como animais domésticos, passíveis de viver na companhia humana, assim como ocorre no Brasil e em outros locais. A reclassificação, segundo o Ministério da Agricultura chinês, faz parte das medidas elaboradas em resposta à Covid-19.

A Humane Society, grupo de defesa dos direitos animais, considerou a atitude do governo chinês um “divisor de águas” no bem-estar animal.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O Ministério afirmou, através de nota publicada em seu site oficial, que “as ideias de civilização e hábitos alimentares estão em constante mudança e alguns costumes tradicionais sobre cachorros também vão mudar”.

Shenzhen e Zhuhai, duas cidades chinesas, já proibiram o consumo de carne de cachorro e gato.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui