Luto

Golfinho mais solitário do mundo morre sozinho em tanque de aquário no Japão

A associação Dolphin Project realizou várias tentativas de negociações para poder resgatar o golfinho e oferecer para ele um final de vida feliz, mas sem sucesso

Foto: Dolphin Project
Foto: Dolphin Project

O golfinho Honey, conhecido por ser o golfinho mais solitário do mundo, morreu no dia 29 de março. O animal, que era explorado e mantido em cativeiro no Aquário Marinho de Inubosaki, na cidade de Choshi, no Japão, foi brutalmente capturado em 2015, juntamente com 46 pinguins e centenas de peixes e répteis que foram levados para o aquário para serem explorados como forma de entretenimento humano.

Segundo investigações feitas pela People for the Ethical Treatment of Animals (PETA), os animais que viviam no aquário eram mantidos em condições precárias e corriam um sério risco de vida se permanecessem no local. “Na natureza, os golfinhos nadam grandes distâncias com suas famílias, brincando e explorando novos territórios juntos. Mas, para Honey, a vida é gasta flutuando apática o dia inteiro. Ela é mantida sozinha e faz ações repetitivas e compulsivas, conhecidas como comportamento estereotipado – um sinal do sofrimento severo causado pelo cativeiro”.

De acordo com a associação Dolphin Project, o aquário estava abandonado desde 2018, após ter sido vendido. A instituição tentava de todas as maneiras possíveis um meio de resgatar o golfinho para que ele pudesse ter um pouco de liberdade durante seus últimos anos de vida. No entanto, as negociações falharam e Honey acabou morrendo sozinho em seu tanque, sem ter a chance de poder viver em liberdade novamente.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Nota da Redação: zoológicos e outros locais que aprisionam animais devem ser completamente extintos. Casos como o de Honey servem para alertar a população mundial sobre a injustiça e a crueldade escondidas atrás de zoológicos e outros locais que mantêm animais em cativeiro apenas para divertimento humano. É preciso expandir a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos, servindo ao prazer dos seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui