De olho no planeta

Agropecuária pode favorecer surgimento de outras pandemias

A perda de cobertura florestal agravada pela pecuária pode trazer consequências piores do que imaginamos dependendo da proporção ou mesmo localização

Pixabay
Pixabay

Para muitas pessoas talvez soe estranho ou impossível de acreditar quando alguém diz que a agropecuária pode favorecer o surgimento de pandemias como a do novo coronavírus. No entanto, isso é mais simples de entender do que parece.

Na atualidade, com a agropecuária já ocupando 77% das áreas agricultáveis do mundo, há uma demanda por novos espaços naturais a serem desmatados para serem convertidos em pastagens e áreas agrícolas para produção de ração para animais que serão abatidos para consumo.

Ciclo de vida alterado

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Com isso, os habitantes desses espaços, que são os animais silvestres, têm o seu ciclo de vida alterado e se veem obrigados a terem mais contato com outras espécies com as quais não teriam nenhum tipo de proximidade em uma situação natural livre da intervenção humana.

Isso é o suficiente para que patógenos que, em condições naturais, não seriam transferidos a outras espécies, já que é comum animais acumulá-los sem que isso se transforme em doenças ou mesmo um problema, acabem por transferi-los para outros animais em condições de infectar seres humanos.

As zoonoses associadas aos morcegos, por exemplo, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), surgiram devido à perda de habitat em consequência do desmatamento e da expansão agropecuária – o que é muito problemático considerando a importância dos morcegos nos ecossistemas – já que eles atuam como polinizadores noturnos.

Consequências piores do que imaginamos

A perda de cobertura florestal pode trazer consequências piores do que imaginamos dependendo da proporção ou mesmo localização, e o histórico acumulativo de zoonoses que afetam seres humanos é um exemplo disso – como o surto de ebola na África Ocidental que surgiu como consequência da derrubada de florestas. Com isso a disseminação da doença se deu também pela perigosa proximidade entre animais silvestres e pessoas.

O Pnuma observa que essa interação pode nos expor cada vez mais à disseminação de possíveis patógenos, que podem evoluir – migrando de hospedeiros e intensificando ações e consequências. “Para muitas zoonoses, os rebanhos servem de ponte epidemiológica entre a vida selvagem e as doenças humanas”, alerta.

Ou seja, quando transformamos o meio ambiente por meio de atividades como a agropecuária, essas mudanças alteram o funcionamento dos ecossistemas e criam um cenário de possibilidades indesejáveis envolvendo a disseminação de novas doenças zoonóticas.

Mais doenças zoonóticas do que nunca

“A integridade do ecossistema evidencia a saúde e o desenvolvimento humano. As mudanças ambientais induzidas pelo homem modificam a estrutura populacional da vida selvagem e reduzem a biodiversidade, resultando em condições ambientais que favorecem determinados hospedeiros, vetores e/ou patógenos. A integridade do ecossistema também ajuda a controlar as doenças, apoiando a diversidade biológica e dificultando a disseminação, a ampliação e a dominação dos patógenos”, reforça o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Isso significa que enquanto forem desenvolvidas atividades que impactem de forma negativa no meio ambiente será impossível evitar o surgimento de novas epidemias zoonóticas ou mesmo prever de onde ou quando surgirão.

“Nunca tivemos tantas oportunidades para as doenças passarem de animais selvagens e domésticos para pessoas”, avalia a diretora-executiva do Pnuma, Inger Andersen em publicação do site da ONU Meio Ambiente.

Outro ponto que merece reflexão é que há anos o mundo também está lidando com doenças que estão se espalhando por meio da criação intensiva de animais para consumo – que é outra face dos impactos acumulativos da pecuária – como tem ocorrido com frequência envolvendo galináceos e suínos – mantidos em um ambiente propiciador desses perigos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui