Abandono de animais durante pandemia aumenta 860% em Salvador (BA)


Pixabay/Federicogabriel92

O abandono de animais em Salvador (BA) durante a pandemia de Covid-19 aumentou em 860%, segundo a Brigada K9, vinculada ao Corpo de Bombeiros Voluntários de Salvador.

“Antes fazíamos uma ocorrência de resgate por dia, agora tem dias que atendemos sete, oito chamados”, comenta o Comandante Emerson França.

Por conta desse cenário, a Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal da Bahia (UFBA) criou uma central de dúvidas, com apoio do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), para explicar questões relacionadas aos animais no contexto da pandemia.

“São principalmente dois motivos: o econômico, de quem tá passando dificuldades mesmo para se manter, e no desespero abandona o animal, e tem um medo, um pânico de que o animal possa transmitir a doença”, explicou ao portal Correio 24 Horas o professor Rodrigo Bittencourt, coordenador dos programas de residência em medicina veterinária da UFBA e da central de dúvidas.

O docente lembrou que não há evidência de que os animais transmitam a doença. “O máximo que pode acontecer é o animal servir como uma superfície contaminada, da mesma forma que uma tocar numa mesa ou maçaneta que alguém contaminado espirrou em cima, então é só tomar cuidados na hora do passeio, e higienizar as patas do animal ao voltar”, disse.

“Não há porque ter medo, por exemplo, de sair para uma caminhada com seu cachorro. É só seguir os cuidados, fazer passeios curtos e evitar que o cachorro deite na rua, role na grama, pra que o contato seja menor com possíveis superfícies contaminadas”, completou o médico veterinário José Eduardo Ungar, presidente da comissão de saúde pública do CMRV.

Ungar reforçou ainda que o abandono – que configura crime previsto em lei – submete o animal a riscos e é também uma questão de saúde pública. “Um cão desacostumado com a rua está muito mais sujeito a ser atropelado, ou a se envolver em outros acidentes, além do que o animais abandonados geram uma preocupação com zoonoses, a ocorrência de outras doenças”, relatou.

Além disso, o abandono é ainda mais preocupante neste momento, já que o isolamento social dificulta ainda mais a sobrevivência dos animais abandonados. “Com as pessoas em casa, restaurantes e estabelecimentos fechados, os animais não podem contar com quem geralmente colocava comida, água, na porta das lojas pra eles”, disse a médica veterinária residente Stephanie Luyse.

E se em tempos normais, é mais comum encontrar animais sem raça definida abandonados. Por conta da pandemia, até animais de raça estão sendo encontrados com mais frequência na rua. Independentemente disso, porém, todos sofrem e o abandono é uma prática abominável quando praticada quando qualquer um deles.

“Tem animais de raça, Golden, Shihtzus, que temos resgatado, a maioria dos abrigos estão lotados e, com a crise, as doações caíram muito. Estamos tendo que fazer um esforço enorme para manter o abrigo”, disse Gabriela Lobo, membro do Abrigo Animal Aumigo. A entidade, que já havia atingido sua capacidade máxima de resgates antes mesmo da quarentena, mantém atualmente 250 animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

COREIA DO SUL

SOB INVESTIGAÇÃO

AGRESSÃO BRUTAL

INSTINTO

VIDA NA RUA

RESPEITO E AFETO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>