China pode reduzir dependência de animais para consumo


China pode parecer um lugar improvável de venda de produtos veganos para quem está acostumado a ler notícias sobre a diversidade do consumo de animais no país.

No entanto, é importante considerar a dimensão da China, e o fato de que os hábitos podem variar muito de região para região. Afinal, o país asiático é o terceiro maior do mundo e o mais populoso – com 1,38 bilhão de habitantes – o que equivale a 6,6 vezes a população brasileira.

Criação de porcos para consumo e mercado popular de animais vivos e/ou reduzidos à carne estão associados à peste suína e ao coronavírus (Fotos: Acervo Wall Street Journal/BBC)

Crescente interesse por produtos veganos

Com tanta gente vivendo no país que hoje possui a segunda maior economia do mundo, algumas situações tem feito também com que parte da população chinesa reveja seus hábitos. Uma prova disso é o crescente interesse por produtos veganos, também intensificado com a chegada do novo coronavírus.

Startups de alimentos veganos de várias partes do mundo estão de olho nesse mercado. Uma das empresas que tem se beneficiado com essa demanda é a californiana JUST, que criou o “ovo sem ovo”, à base de proteína isolada de feijão-mungo e cúrcuma.

Nas últimas semanas, a startup, que já oferece o JUST Egg no país desde 2019, foi contatada por empresas do governo chinês e grandes fabricantes de alimentos interessados em seus produtos. O CEO Josh Tetrick disse à Bloomberg que eles querem firmar uma parceria.

Preocupação com novas epidemias

O objetivo é reduzir a dependência da China de produtos de origem animal, assim evitando o risco de novas epidemias; até porque o coronavírus intensificou os problemas dos chineses, que já vinham enfrentando dificuldades a partir da propagação da peste suína. 

Essa constatação vai ao encontro do que foi divulgado este mês pela multinacional de serviços financeiros Rabobank, da Holanda. Ou seja, a pandemia está forçando uma redução do consumo de alimentos de origem animal.

Além disso, o mercado de carnes vegetais na China já movimenta 10 bilhões de dólares por ano e tem condições de ir muito além, conforme divulgado pela Rabobank com base em dados da Euromonitor International.

Também há uma estimativa do Instituto de Pesquisas Plant & Food que aponta que antes do surto de coronavírus 39% da população da China já estava reduzindo o consumo de carne – o que é vantajoso para o mercado de alimentos veganos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>