Mar de plástico

Lixo nos oceanos poderá ser causa de extinção de espécies no futuro

O número de espécies marinhas afetadas pelo plástico é superior a 900

Unsplash

Detritos marinhos e principalmente lixo plástico são uma grande preocupação para o público em geral, assim como para cientistas e formuladores de políticas em todo o mundo. Os custos socioeconômicos causados ​​pelo lixo nas costas e no mar são substanciais.

Mas são as consequências ecológicas que criaram uma consciência considerável e ainda crescente. Regularmente, novas espécies marinhas são encontradas por ingerir plásticos ou se enredar nele. 

Uma primeira visão geral das espécies afetadas foi fornecida por Laist (1997): o autor anotou registros de ingestão ou emaranhamento de 267 espécies marinhas. Em 2015, essa lista foi expandida para um total de 557 espécies. Um número ainda maior de 693 espécies foi relatado, incluindo organismos que se prendem a plásticos ou são sufocados por detritos.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Esses aumentos ilustram o interesse da pesquisa nesse tópico durante os últimos decênios, mas não necessariamente o aumento de indivíduos ou espécies afetados. uma atualização de uma lista simples de espécies para uma visão quantitativa mais detalhada é crucial para a interpretação da escala dos impactos de detritos principalmente plásticos na fauna marinha.

Hoje, 914 espécies marinhas foram documentadas ou emaranhadas no lixo humano ou com elas alojadas em seus tratos digestivos. Os especialistas S. Kühn e Jan Andries van Franeker da Dutch Science Foundation calcularam esse número analisando 747 estudos científicos publicados em maio de 2019 desde o relatório do biólogo Eugene Gudger de 1938.

Entre essas 914 espécies, 226 das 409 aves marinhas reconhecidas. O primeiro animal já registrado cientificamente comendo plástico foi em 1962. Das 43.525 aves marinhas estudadas, mais de um quarto foi afetado pelo plástico. Os mais vulneráveis ​​são as aves marinhas, incluindo petréis e albatrozes, dos quais quase 42% continham plástico.

“Esses pássaros são alimentadores de superfície oportunistas e não são exigentes quando se trata de alimentos”, explica Kühn. “Isso deve nos dar motivos para se preocupar, pois essas aves são particularmente propensas a outros riscos relacionados ao ser humano, como capturas acessórias, pesca excessiva e mudanças climáticas”.

Ameaça à vida marinha

Todas as sete espécies de tartarugas marinhas comeram ou foram enredadas em plástico. Apenas 59 das 86 espécies de baleias foram estudadas, mas todas foram afetadas. Das 31 espécies de focas, 22 foram encontradas com plástico. As focas também parecem particularmente suscetíveis ao emaranhamento, possivelmente devido à sua curiosidade.

Alguns dos itens mais surpreendentes engolidos – encontrados em gaivotas-prateadas em um estudo de 2008 – incluíram uma medalha de plástico (com fita), um telefone celular inteiro e um exército de soldados de brinquedo.

Revisões semelhantes realizadas em 1997 e 2015 colocam o número de espécies afetadas em 267 e 557, respectivamente. O último número de 914 sugere uma tendência crescente rápida. A maioria dos recém-chegados à lista são peixes, com o número afetado saltando de 166 para 430 das 31.243 espécies conhecidas. Esse aumento provavelmente reflete um interesse crescente dos pesquisadores.

Mas Kühn observa que é difícil extrair um significado profundo dos dados, pois é necessário apenas um indivíduo afetado para adicionar sua espécie à lista. Por exemplo, apenas uma baleia azul foi analisada quanto à contaminação, o que não revela como o lixo está afetando a espécie em geral.

Quanto mais indivíduos e espécies forem estudados, mais confiáveis ​​os números se tornarão, diz ela.

No entanto, a contagem atual é uma pequena fração do que acontece nos oceanos, sugerindo que muito mais animais são afetados do que sabemos.

Mas o alerta, diz Kühn, é bastante claro. “Todas as espécies, independentemente da localização, habitat ou ecologia, podem potencialmente encontrar e ingerir ou se enredar em plástico”.

“Os resultados confirmam nossas piores expectativas”, diz o biólogo marinho Daniel Pauly, que lidera a iniciativa Seas Around Us na Universidade da Colúmbia Britânica. Apesar dos animais terem sobrevivido à caça e à sobrepesca, Pauly diz que o desperdício de plástico pode significar o fim definitivo de muitas criaturas marinhas.

“Estou convencido de que o plástico fará com que algumas espécies sejam extintas e isso parte meu coração só de pensar nisso.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

1 COMENTÁRIO

  1. Os estudos realizados são importantes e trazem à tona uma verdade evidente: o excesso de plástico tem arruinado a vida marinha. Porém, infelizmente, eu suponho que esse tipo de lixo causa impactos mais devastadores ainda, sendo responsável pela morte de muito mais animais do que possamos imaginar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui