Ártico

Cavalos da Sibéria podem diminuir o impacto da mudança climática

Cobertura de neve é ​​espalhada e comprimida graças aos cascos dos animais que pastam, e o degelo é reduzido drasticamente

Pixabay

No Ártico, o degelo do permafrost (tipo de solo local) apresenta um enorme risco ao meio ambiente. É causada por e contribui para a mudança climática, liberando gases de efeito estufa na atmosfera à medida que as temperaturas esquentam.

Surpreendentemente, manadas de cavalos siberianos e outros animais podem ter a solução. Novas pesquisas realizadas na Rússia mostram como criaturas do Ártico como cavalos, bisões e renas, podem realmente retardar o degelo dos solos que foram congelados permanentemente.

Juntos, esses rebanhos poderiam potencialmente preservar até 80% do solo do mundo até o ano 2100, de acordo com o estudo.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Eis como funciona: fortes nevascas cobrem o chão e o isolam do ar frio. Animais pastando pisam e chutam a neve, cortando o isolamento. Como resultado, o solo congela – ou, no caso do permafrost, permanece congelado.

“Esse tipo de manipulação natural em ecossistemas especialmente relevantes para o sistema climático mal foi pesquisado até o momento”, disse o professor Christian Beer, “mas possui um tremendo potencial”.

Perda do permafrost

No novo estudo, liderado pelo professor Christian Beer, da Universidade de Hamburgo, os pesquisadores modelaram esse efeito para ver como ele pode combater as crescentes ameaças das mudanças climáticas no Ártico em geral. A equipe de pesquisa simulou a mudança de temperatura ao longo do tempo: sem intervenção, as temperaturas do permafrost aumentariam 3,8 graus Celsius até o ano de 2100.

Com os rebanhos de animais em jogo, esse aumento pode diminuir para apenas 2,1 graus Celsius. É uma mudança suficiente para preservar 80% dos solos, diz a equipe de Beer.

Há algumas ressalvas a serem consideradas: no verão, os animais podem desenterrar a camada de musgo que o mantém fresco e os pesquisadores ainda não sabem como os animais em movimento os espalhariam pela terra. Mas os pesquisadores dizem que as proteções do inverno superam os riscos do verão.

O método pode retardar a perda de permafrost e, como resultado, a liberação de dióxido de carbono na atmosfera – dificultando esse ciclo de feedback perigoso de maneira natural.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui