Solidariedade

Canis municipais portugueses abrem espaço para animais de tutores com covid-19

A medida visa evitar abandonos e, ao mesmo tempo, oferecer tranquilidade às pessoas doentes que possuem animais em casa

Portadores de covid-19 poderão deixar seus animais aos cuidados dos canis municipais em Portugal. Foto John French/Pixabay

Os Centro de Recolha Oficiais (CRO) de Portugal, que correspondem aos canis municipais do Brasil, comprometeram-se a acolher animais de pessoas infetadas com o Covid-19 e que não tenham amigos ou familiares com quem deixar os cães e gatos. OS CROs também fornecerão equipamentos de proteção individual aos médicos veterinários dos canis como máscaras, luvas, desinfetantes, entre outros. A medida visa evitar abandonos e, ao mesmo tempo, oferecer tranquilidade às pessoas doentes que possuem animais em casa.

Como em muitos países a ordem é que clínicas veterinárias só continuem atendendo casos de urgência e tratamentos com necessidade de manuseio do animal, a Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) de Portugal também adotou uma medida solidária, disponibilizando mais de 300 veterinários e vários equipamentos para reforçar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), devido à pandemia de Covid-19. Até o dia do comunicado, 17 de março, 339 veterinários já tinham se candidatado voluntariamente para a iniciativa. A maioria residente em Lisboa e Vale do Tejo.

Instituições de ensino de medicina veterinária e laboratórios estão disponibilizando 208 equipamentos, entre ventiladores, monitores e concentradores de oxigênio (aparelhos similares aos utilizados em medicina humana). São sete laboratórios de análises clínicas veterinárias abrindo seu leque de serviços para testar o novo coronavírus humano.

A OMV pediu ao governo “que sejam criadas todas as condições para que os médicos veterinários municipais, inspetores sanitários e médicos veterinários em exercício nas organizações de produtores pecuários (OPP) tenham as melhores condições de segurança e higiene para continuares a exercer as suas funções”. A instituição solicitou ainda o adiamento dos pagamentos de impostos e contribuições obrigatórios para os profissionais da área veterinária. As informações são do portal Veterinária Atual.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui