Projeto criado nas redes sociais desmistifica ideia de que ser vegano é caro


Para desmitificar a ideia de que o veganismo é elitista e conscientizar as pessoas sobre a exploração e a crueldade animal, a vegana Caroline Soares decidiu criar um projeto. Ao fazer um grupo no Facebook e um perfil no Instagram, Caroline possibilitou que receitas feitas com ingredientes acessíveis financeiramente pudessem ser compartilhadas, assim como informações sobre o veganismo. Em entrevista exclusiva à ANDA, Caroline falou um pouco mais sobre o projeto. Confira abaixo.

Caroline Soares, idealizadora do projeto (Foto: Reprodução / Facebook / Caroline Soares)

ANDA: Quando e por que você decidiu iniciar este projeto para desmistificar a ideia de que o veganismo é elitista? O projeto teve início com o Instagram ou com o grupo no Facebook?

Caroline Soares: Sou periférica, moro na periferia de Guarulhos (SP) e sempre ouvi, e até por um tempo reproduzi, que veganismo era para a elite. Até que um dia não conseguia mais consumir derivados de animais. Sim, virei ovolacto por anos e nunca quis ser vegana, mas um dia aconteceu, não achava conteúdo periférico na web, aí criei o grupo e anos depois o Instagram @logoeu_veganapobre.

ANDA: Atualmente, o grupo conta com 87 mil membros. Há algum pré-requisito para que uma pessoa possa se tornar parte dele? Ele é aberto apenas a veganos ou também a pessoas interessadas em fazer a transição para o veganismo? 

Caroline Soares: O grupo é livre para todos, mas tem que respeitar as regras, nada de ingrediente de origem animal, marca que testa em animais, temos lista de produtos proibidos. Uma vez por ano abrimos enquete no grupo com os produtos que mais tem relação de caro ou difícil de achar, os membros votam e se acharem caro ele é banido e não pode ter receita com ele. Toda receita deve estar por escrito, facilitando a inclusão de pessoa que usam aplicativos que converte texto em áudio. Basicamente todos são aceitos, seja vegano, vegetariano, ovolacto vegetariano, onívoro.

Para manter o grupo, eu conto com o apoio dos moradores, que são muito importantes para garantir que as regras estão sendo seguidas e que tudo está funcionamento corretamente. São eles: Paty Souza, Nilton Sobral, Marco Antonio Silveira, Tatiane Pelissari, Tatiane David Maciel, Niki Chagas, Jorge Erick Abreu, Flávia Rolim de Moura e Vilma Alves.

Foto de comida vegana acessível publicada pelo projeto (Foto: Reprodução / Instagram / @logoeu_veganapobre)

ANDA: Que tipo de publicação é feita no grupo e no Instagram? Quantos seguidores você tem nesta rede social atualmente?

Caroline Soares: O grupo Veganos Pobres Brasil é única e exclusivamente para troca de receita, meu Instagram é sobre veganismo em geral, tem receita, indicação de produto, minha historia com o veganismo e a ONG que tenho em casa. É um blog pessoal, falo sobre a minha vivência do dia a dia vegano. No Instagram tem 19 mil, no meu Facebook 3.751 amigos, fora a página.

ANDA: Você acredita que seu projeto tem atraído a atenção das pessoas para o veganismo? 

Caroline Soares: Acredito muito, todo dia recebo mensagem de pessoas que antes de me encontrar achavam veganismo caro e difícil. Elas falam que estão em transição ou já veganizaram com a minha ajuda.

Hambúrguer de batata e cenoura (Foto: Reprodução / Instagram / @logoeu_veganapobre)

ANDA: Você acredita que ainda há muita desinformação, que muitas pessoas ainda acham que ser vegano é caro?

Caroline Soares: Sim, porque quando se pesquisa receita veganas e produtos, os valores são abusivos. Só que vegano não vive deles e tem os pequenos produtores veganos que não são vistos e vendem barato, ou ainda receitas que fazemos em casa.

ANDA: Qual a importância, para você, de conscientizar as pessoas sobre o veganismo não ser elitista? 

Caroline Soares: A importância é trazer o máximo de pessoas para o veganismo, assim alcançamos mais rápido a libertação animal.

Almôndegas de “carne” de soja (Foto: Reprodução / Instagram / @logoeu_veganapobre)

ANDA: Há quanto tempo você é vegana? O que te fez ter interesse pelo veganismo? 

Caroline Soares: Sem carne há 10 anos, e completei 4 anos agora como vegana. Conheci um ovolactovegetariano há anos e na época não tive a ideia da exploração animal. Eu era a pessoa que esfregava uma coxinha na cara dele e falava “nossa que frescura”.

Chamo isso de despertar, foi quando estava em casa jantando e simplesmente a carne não descia mais, e a partir do dia seguinte não comi carne. Confesso que fácil não foi. Tive recaídas? Sim, com os derivados (queijo), mas errar é humano.

A minha mãe e eu temos uma ONG com cerca de 20 animais resgatados de abandono e maus-tratos. O veganismo salvou a minha vida, eu mudei e me mudei todos os dias.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SUSTENTABILIDADE

NEGLIGÊNCIA

SOFRIMENTO

PORTO ALEGRE (RS)

INSENSIBILIDADE

GOIÂNIA (GO)

MÉXICO

ACIDENTE

AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>