Após 18 novos casos, número de macacos mortos por febre amarela sobe para 135 no PR


Atualmente, há registro no Brasil apenas da febre amarela silvestre, que tem sua transmissão feita por meio dos mosquitos haemagogus e sabethes


Novos 18 casos de macacos mortos pela febre amarela foram registrados no Paraná. Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde. Outros 199 casos estão sendo investigados. Outros 65 foram descartados e 328 considerados indeterminados, segundo boletim epidemiológico da doença divulgado na quarta-feira (18).

(Foto: Peter Schoen/Flickr/Ilustrativa)

“Esse aumento no número de macacos mortos confirma que o vírus da febre amarela está circulando no Paraná. Alertamos a população sobre a importância da vacina, pois essa é a forma mais eficiente e segura para prevenir a doença”, disse ao portal RIC Mais o secretário da Saúde, Beto Preto.

Os novos casos foram registrados nos municípios de Boa Ventura de São Roque (2), Campo Largo (1), Antonio Olinto (3), Turvo (5), Guarapuava (1) e Mallet (6), sendo que os dois primeiros não tinham mortes de macacos confirmadas até o momento.

Os macacos, no entanto, não são transmissores da febre amarela. Conforme alertam ativistas pelos direitos animais, os macacos são, assim como os humanos, apenas vítimas da doença.

A enfermidade é transmitida através da picada de mosquitos infectados. Atualmente, há registro no Brasil apenas da febre amarela silvestre, que tem sua transmissão feita por meio dos mosquitos haemagogus e sabethes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DADOS ALARMANTES

MAUS-TRATOS

DESMONTE AMBIENTAL

ZOOFILIA

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE

CRISE ECONÔMICA

SINERGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>