Perigo

Raposa é encontrada com cabeça presa em garrafa de plástico

Créditos:RSPCA

Anualmente, a RSPCA resgata cerca de 5 mil animais, sendo centenas deles vítimas de acidentes com resíduos de lixo e de plástico


 

Créditos:RSPCA

Recentemente, uma raposa foi encontrada com a cabeça presa dentro de uma garrafa plástica de dois litros, enunciando mais uma vez, como os animais sofrem em função da poluição causada pelo plástico.

A Sociedade Real para a Prevenção da Crueldade contra Animais (RSPCA), foi chamada para ir até a escola Grove School, em Birmingham, no Reino Unido, depois que a situação do animal foi descoberta pelas famílias locais em 12 de fevereiro de 2020.

Créditos: RSPCA

Os policiais passaram duas horas tentando capturar a raposa, após soltarem a cabeça do animal da garrafa de plástico, que foi descartada no local do incidente. Eles ainda disseram ao Daily Mail (17), que é essencial o descarte adequado dos resíduos para garantir que os animais não ‘paguem o preço’ da ação imprudente do ser humano.

Victoria Hurr e Adam McConkey, oficiais de bem-estar animal da RSPCA, também foram ao local prestar socorro à raposa. “Ela estava muito angustiada e confusa mesmo com a garrafa removida de seu pescoço, mesmo assim, queria fugir de nós a qualquer custo” disse Hurr.

Ela completou: “Demoramos duas horas para conseguir tirá-la de uma espécie de ‘cabine’, encurralá-la e levá-la a um local para que pudéssemos remover a garrafa com segurança”.

“Felizmente, ela não se machucou, então nós a liberamos”, concluiu ela. Anualmente, a RSPCA resgata cerca de 5 mil animais, sendo centenas deles vítimas de acidentes com resíduos de lixo e de plástico.

“O número de incidentes de animais selvagens feridos ou presos devido a lixo plástico tem aumentado cada vez mais”, disse McConkey.

Ele completou:”Vemos focas com plástico preso no pescoço, feridas profundas; animais selvagens com frascos de plástico e vidro presos sobre a cabeça ou fitas de plástico enroladas no corpo; pássaros com fios de pesca de plástico enrolados nas pernas, cortando a circulação sanguínea”.

“É importante reduzir a quantidade de resíduos de plástico que estamos usando e garantir que nosso lixo seja descartado adequadamente, para que os animais não paguem o preço pelos nossos resíduos descartados inadequadamente”, concluiu ele.

Confira o vídeo do momento:


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui