Crime

Polícia chinesa resgata 38 mil animais selvagens de traficantes em 20 dias

Durante o mês de janeiro, oficiais de todo o país investigaram cerca 680 casos e puniram 690 infratores


 

Qingyuan Legal and Law/WeChat

Em janeiro, a polícia da China resgatou cerca de 38 mil animais selvagens espalhados pelo país, traficados em apenas 20 dias, depois que Pequim proibiu a venda de animais exóticos devido ao surto do coronavírus (que até então não teve comprovada sua origem, mas corre a suposição de que foi transmitido por animais exóticos).

Oficiais de todo o país investigaram cerca 680 casos e puniram 690 infratores, além de prenderem animais e 2.347 kg de produtos da vida selvagem desde 23 de janeiro, conforme divulgado pela mídia estatal. Após o surto do coronavírus, a polícia de toda a China também lançou campanhas especiais para acabar com as quadrilhas de tráfico de animais selvagens.

Dois vendedores no distrito de Baiyun, em Guangzhou, foram presos em 31 de janeiro, depois de serem pegos vendendo cobras selvagens e ratos a um repórter disfarçado que se apresentava como cliente.  Os fornecedores cobraram 300 yuans (R$167) por quilo de cobras e 160 yuans (£180) por quilo de ratos, mostraram imagens de câmeras escondidas.

Já na província de Hubei, onde o coronavírus se originou, os oficiais descobriram que uma loja subterrânea em Xianning vendia veados e texugos chineses. O chefe do negócio ilegal foi preso pela polícia em 28 de janeiro. No episódio, confiscaram um cervo vivo, um morto, nove folhas de pele de veado, um texugo-furão chinês vivo e um pedaço de pele de doninha (mamífero semelhante a um furão).

Em Xuwen, na província de Guangdong, a polícia florestal invadiu a casa de um suposto traficante de animais silvestres em 30 de janeiro.  Os policiais encontraram os corpos de 56 animais selvagens, incluindo aves e civetas em um freezer. O suspeito, Lin, 57 anos, admitiu sua culpa pelo tráfico e foi imediatamente detido.

Outros lugares de Guangdong também foram inspecionados pelos oficiais de Qingyuan, que entraram nos locais e apreenderam 1.286 animais selvagens vivos e mortos vendidos. Na ocasião, onze vendedores ilegais foram punidos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui