Austrália

Papagaio volta a voar depois de transplante de penas

Caters News Agency

Como muitos pássaros criados em cativeiro, o animal, que foi chamado de Wei Wei, teve suas asas cortadas para ser impedido de voar para longe


Caters News Agency

Recentemente, uma veterinária na Austrália, deu a um papagaio de apenas doze semanas, um par de pontas de asas feitas de penas doadas, após o animal sofrer um intenso corte nas asas, impossibilitando-o de voar e fazendo com que ele caísse frequentemente.

Como muitos pássaros criados fora de seu habitat natural, o animal, que foi chamado de Wei Wei, teve suas asas cortadas para ser impedido de voar para longe, no entanto, o procedimento de corte das asas, deixou o animal debilitado. Também não se sabe se o corte foi realizado pelo tutor de Wei Wei, uma loja de animais ou um veterinário.

A médica veterinária Catherine Apuli (31), da clínica veterinária The Unusual Pet Vets, de Brisbane , na Austrália, montou as novas pontas das asas que foram coladas no animal.

Caters News Agency

A técnica é conhecida como “colisão” e o procedimento envolve prender partes das penas doadas às cortadas ou danificadas do pássaro usando cola (especial para o procedimento) e uma forma de apoio – no caso de Wei Wei, palitos de dente.

Caters News Agency

A operação deu certo e não causou dor ao papagaio (que teve que ser sedado para o procedimento). Após algumas horas, o animal pode sair voando novamente. “O pássaro tinha um corte severo nas asas, o que significa que as penas de voo foram cortadas muito curtas e muitas penas foram perdidas”, disse Apuli ao Daily Mail (24).

Como resultado da defasagem das penas, o pássaro estava sofrendo fortes quedas no chão, criando muitas chances de se machucar. “No caso de Wei Wei, ela estava caindo pesadamente e o tutor percebeu que estava com dores nos pés”, completa ela.

O procedimento  foi realizado para evitar mais lesões físicas e recuperar o voo para uma saúde física e mental ideal do animal. “As penas foram doadas à clínica e cada pena foi higienizada, esterilizada e seca”, relata a Dr. Apuli.

“Ele voou muito bem depois de algumas tentativas e parecia bastante animado por voar novamente. Agora ele não cai mais no chão e também não se machuca”, concluiu ela.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui