Comoção nacional

Gato espancado em vídeo viral é salvo por ativista em SP

Além do gatinho, também foi encontrado no local um jabuti vítima de maus-tratos

Reprodução | Facebook

 

Reprodução | Facebook

O gatinho espancado por uma mulher em um vídeo registrado no bairro Jardim Santo André, na zona Leste de São Paulo, foi salvo na noite de ontem (19) pelo protetor e ativista em defesa dos direitos animais Armandinho Ferreiro. A notícia foi divulgada pelo protetor em seu perfil no Facebook.

Além do gatinho, também foi encontrado no local um jabuti vítima de maus-tratos, com o casco pintado com esmalte de unha, substância altamente tóxica e alérgica para animais. A responsável pelo ato cruel contra o gatinho será encaminhada para uma audiência de transação penal e será multada.

Imagens compartilhadas por Armandinho do resgate do gato mostram o animal muito assustado e traumatizado. “Depois de 2 dias de campana e muita insistência chuva e Sol, resgatamos esse gatinho. Graças a Deus. Depois de apanhar ele fugiu e ficou sumido”, disse o ativista, que também agradeceu a ajuda de sua equipe.

Veja a postagem abaixo:

Entenda o caso

Um gatinho foi espancado por uma mulher no bairro Jardim Santo André, na zona Leste de São Paulo. Os maus-tratos foram registrados em um vídeo e compartilhados em grupos de WhatsApp e no Facebook. Não há confirmação da data exata do crime.

As imagens mostram uma mulher de cabelos tingidos de vermelho segurando um gato amarrado a uma corda enquanto o golpeia com o que parece ser uma vara de madeira. Os golpes são tão intensos que podem ser ouvidos nitidamente apesar do vídeo ter sido gravado à distância.

O animal, muito assustado, tenta escapar, mas é suspendido, enforcado e agredido novamente. “É muito forte. São pesadas as imagens”, disse ativista em defesa dos direitos animais Armandinho Ferreiro, que rapidamente se mobilizou para encontrar o localização onde o vídeo foi feito e ir resgatar o gatinho.

A responsável pelos maus-tratos já foi identificada e, segundo Armandinho, foi encaminhada na última terça-feira (18) para o 55º Distrito Policial de Parque São Rafael junto com o ativista. Durante o depoimento a mulher afirmou que “não sabia que era crime” agredir animais.

Crime

No Brasil, crimes contra animais estão previstos na lei 9.605 de 1998. Uma vez acusado, o responsável pode ser punido com multa e até um ano de detenção. No entanto, em uma entrevista à Agência de Notícias de Direitos Animais, o advogado criminalista e consultor da ANDA Sérgio Tarcha explica que existe um novo projeto que torna a pena de crimes de maus-tratos mais rigorosa.

Segundo Tarcha, apesar de trazer avanços, crimes contra animais ainda não são vistos com gravidade pela Justiça. “A pena, hoje, é de 3 meses a 1 ano de detenção, ou seja, é nada. A lei que regula a matéria é a lei de crimes ambientais, 9.605/98, a nova lei, 11.210/18, que já foi aprovada pelo senado eleva para 1 a 4 anos de detenção, mais a multa. Ainda continua muito branda a legislação, em outros países é muito mais severo”, disse.

*Ainda em apuração e aguardando atualização


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

1 COMENTÁRIO

  1. Por qual motivo não é divulgado o nome da autora já q no vídeo é flagrante o crime e tortura? Por acaso o ANDA se acovarda e teme estes criminosos cruéis? Desta forma, sem saber sua identidade, outros animais não correm risco? Não seria uma contradição do ANDA para com os animais, q são a razão de ser de sua existência?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui