Crime

Ativistas são assassinados após defenderem habitat de borboletas-monarca

AFP/Getty Images

O santuário onde os ativistas trabalhavam era uma tentativa de impedir a extração ilegal de madeira na área, habitat das borboletas-monarca


AFP/Getty Images

No último domingo (2), um segundo ativista de direitos animais foi encontrado assassinado no México. As autoridades alegam que os dois ativistas foram mortos por empresas madeireiras ilegais.

De acordo com o site Daily Star (4), a última vítima foi Raúl Hernández (44), que era guia turístico em um santuário de borboletas no estado de Michoacán.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Segundo informações do site, o homem foi espancado e teve graves ferimentos na cabeça.  Além disso, o assassinato de outro ativista ocorreu dois dias antes do episódio da morte de Hernández. A semelhança dos casos é que os dois fizeram campanha pela conservação das borboletas-monarca e da floresta onde os insetos vivem.

Raúl desapareceu em 27 de janeiro após deixar o trabalho e foi visto pela última vez por volta do meio-dia em uma vila chamada El Oyamel, no entanto, seu corpo foi encontrado apenas seis dias depois, no topo de uma colina no santuário de borboletas-monarca El Campanario.

Os ativistas temem que a morte esteja ligada à de Homero, cujo corpo foi encontrado em um poço em 29 de janeiro, 16 dias após seu desaparecimento e que também recebeu ameaças para interromper sua campanha contra a exploração ilegal de madeira.

O santuário onde os homens trabalhavam é recente e foi inaugurado em novembro, em uma tentativa de impedir a extração ilegal de madeira na área, que é um habitat essencial para as borboletas-monarca.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, se manifestou sobre a morte de Homero como “dolorosa” e disse acreditar que poderia estar ligada ao crime organizado.

A migração de borboletas-monarca está em constante crescimento e as razões estão relacionadas à exploração madeireira, assim como à agricultura de abacate, uso de pesticidas e mudanças climáticas. De acordo com a organização ambiental sem fins lucrativos Xerces Society, localizada nos Estados Unidos, a população monarca durante o inverno de 2018-19 alcançou o nível mais baixo de todos os tempos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui