Bangladesh, o país que menos consome carne no mundo


Bangladesh não tem uma cultura de alto consumo de carne como ocorre principalmente nas nações mais industrializadas e ricas


Localizado no Sul da Ásia, e muitas vezes citado por sua vegetação exuberante, Bangladesh é o país que menos consome carne no mundo. Com uma grande população de 164,7 milhões de pessoas, onde 86,6% dos habitantes se identificam como muçulmanos, a Nação Bengali, como também é conhecida, não tem uma cultura de alto consumo de carne como ocorre principalmente nas nações mais industrializadas e ricas.

(Foto: Getty)

Prova disso é que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), as últimas estatísticas sobre o consumo de carne per capita no mundo apontam Bangladesh como a nação que menos se alimenta de animais no mundo. Lá, o consumo de carne por habitante não ultrapassa quatro quilos ao ano.

Já outra estatística, de 2017, realizada e divulgada pelo Statista.com sustenta que o consumo de carne no país sul-asiático é de apenas 1,23 quilo per capita ao ano. Comparando com países como Estados Unidos, Austrália, Luxemburgo, Nova Zelândia e Áustria, as diferenças são gritantes.

Afinal, do primeiro ao último país citado, o consumo varia de 120 quilos per capita ao ano a 101,9 quilos. Ou seja, essas nações, onde o veganismo tem se popularizado cada vez mais, ainda têm um consumo de carne, no mínimo, 25 a 30 vezes maior do que o dos cidadãos de Bangladesh, país que passou a existir somente em 1971, quando conquistou a independência do Paquistão. No entanto, é válido ressaltar que as nações desenvolvidas referenciadas já consumiram muito mais carne.

Embora o não consumo ou pouco consumo de carne seja uma realidade comum em Bangladesh, isso não significa que o país tenha uma população essencialmente vegetariana, até porque o baixo consumo de carne está associado ao preço e ao fato de que não se cria tantos animais para consumo no país como em outras nações – o que também tem mais relação com os custos da agropecuária.

Exemplo disso é que, segundo o jornal Dhaka Tribune, de Bangladesh, a disponibilidade de carne no país, não há como ir além de 9,12 quilos per capita ao ano, considerando o volume de criação de bovinos, o que também favorece mais o consumo de vegetais.

Para quem não consome nada de origem animal, Bangladesh oferece muitas opções da culinária vegetariana, e principalmente nos govindas, que são os restaurantes hindus espalhados por todo o país. Samosas (também conhecido como pastel indiano), ensopado de lentilhas vermelhas, espinafre bengali, shukto, Phulkopir Baati Jhal, Saak-er Ghanto e Pani Puri, estão entre os pratos mais populares à base de plantas.

Entre os ingredientes mais utilizados estão lentilha, grão-de-bico, batata, abóbora, abobrinha, berinjela, rabanete branco, espinafre, couve-flor, gengibre, funcho, feno-grego, chat masala e panch phoron (mistura de especiarias). Na realidade, a lista é longa.

Embora Bangladesh seja um país “mais próximo do vegetarianismo” por uma condição econômica, ainda assim essa realidade permite uma imersão em uma cultura com boa diversidade de pratos à base de plantas que fazem parte da sua história há décadas e mesmo séculos, ainda que o vegetarianismo enquanto filosofia de vida seja desconhecido por grande parte da população.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>