Santa Catarina

Rejeitado por ser surdo, cãozinho é adotado por homem com a mesma condição

Ele ganhou uma nova e especial família.

Foto: João Ferreira/Arquivo pessoal
Foto: João Ferreira/Arquivo pessoal

Um cãozinho de apenas 11 meses já sentiu na pele a dor do preconceito e da rejeição. Ele foi adotado na Diretoria de Bem-Estar Animal (Dibea) de Florianópolis (SC) quando tinha apenas 45 dias de vida e cerca de 10 meses, após a família descobrir que o animal é surdo, devolveu-o à instituição.

Anteriormente batizado de Pirata, o cachorro teve sua história divulgada nas redes sociais e graças a alguém que estava do outro lado da tela, a vida do cãozinho encontrou um novo sentido. Através de um amigo, o estudante João Gabriel Duarte Ferreira soube da história de Pirata.

Felizmente, ele não era um simples candidato à adoção. João, que também é doutorando em estudos da tradução na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), é surdo e já tinha interesse em dar uma chance a um animal com as mesmas condições físicas que ele. Encontro mais que perfeito.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Pirata agora se chama Jögan, em alusão ao olho do personagem principal do anime Boruto. Ele ganhou uma nova e especial família. Além de João, o cãozinho agora divide o novo lar com os três companheiros de João, dois surdos e um filho de pais surdos, além da cadelinha Gabi.

Em uma entrevista ao portal G1, João contou que está correndo tudo bem com o processo de adaptação. “Estamos felizes com ele. E temos muita empatia nele, por causa da identidade surda. Ele está feliz, porque temos nossas estratégias de adaptação para casa. Para nós, surdos, com os nossos costumes. Como apagar e ligar luz toda vez pra chamar o Jögan como fazemos conosco”, explicou.

O cãozinho, que está com a nova família desde quinta-feira (09), já até aprendeu coisas novas. O estudante conta que ele é muito dócil e inteligente. “Ele já sabe alguns sinais de Libras [Língua Brasileira de Sinais] e desde quinta aprendeu os sinais de passear, pedir pra sair, esperar”, contou João.

Graças a solidariedade e compaixão dessa grande família de pessoas especiais, Jögan terá a oportunidade de conhecer o amor verdadeiro.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui