Crueldade

Cães aparecem mortos em tanque de mineradora em Caeté (MG)

Moradores revoltados com o caso procuram a ONG para denunciar

Pixabay
Ilustração | Pixabay

A Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza – SGPAN Caeté (MG) registrou ontem, 9 de janeiro, boletim de ocorrência após receber várias denúncias e pedidos de várias pessoas para apuração da morte de três cães encontrados num tanque da empresa Jaguar Mining, que fica na estrada de Caeté para Barão de Cocais, Região Metropolitana de Belo Horizonte. A ONG também está enviando relato do ocorrido ao Ministério Público de Caeté.

Os cães eram muito queridos por funcionários que cuidavam deles diariamente e a morte dos três deixou muitos bastante abalados.

Em meados de 2019 a empresa procurou a SGPAN e pagou vacinação de todos a castração das fêmeas que viviam na área da empresa, exceto uma, a Branca, que jamais se aproximava e ninguém conseguiu capturar para vacinar e castrar. Ela aparecia, comia quando as pessoas se afastavam e sumia. A ONG registou no boletim de ocorrência o estranhamento por ela estar junto com os outros morta no tanque, porque ela não andava com eles agora somente aparecia para comer e sumia, voltando só no dia seguinte para comer.

A ONG também registrou no boletim de ocorrência que um funcionário já havia manifestado que não queria os animais e que iria sumir com eles. Outro detalhe importante é que eles foram mortos no meio do feriado de Natal. Na área da empresa viviam outros dois cães que desapareceram há dois meses.

Uma funcionária da empresa contatou a presidente da ONG e relatou interesse da empresa em apurar os fatos.

A SGPAN existe há 11 anos em Caeté e um dos frutos de seu trabalho é uma grande conscientização da população para o respeito e a guarda responsável dos animais. Quando há evidências de maus tratos as pessoas sempre recorrem a ONG e vários casos que a SGPAN denunciou os autores foram punidos, devido a ação da Polícia e do Ministério Público.

As estradas de saída de Caeté para várias cidades próximas são, infelizmente, áreas de frequente abandono de animais que acabam procurando locais onde há pessoas e vão a procura de alimento. Muitos veem esses animais como um incômodo mas, na verdade, são vítimas da omissão de seus donos e do poder público que, por lei, tem que resgatar, cuidar, castrar e encaminhar estes animais para adoção. A lei é a 21970/2016.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui