Área com alertas de desmatamento na Amazônia aumenta 85% em 2019


De janeiro a dezembro de 2019 foram registrados 9.165,6 km² de área com alertas de desmatamento na Amazônia Legal


Dados do Deter-B, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), registraram um aumento de 85,35% na área com alertas de desmatamento na Amazônia Legal em 2019, quando comparado com o ano anterior.

Foto: Paulo Whitaker/Reuters

De janeiro a dezembro de 2019 foram registrados 9.165,6 km² de área com alertas, ante 4.946,37 km² em 2018. O levantamento foi divulgado pela plataforma Terra Brasilis. As informações são do G1.

Os alertas diários, que embasam a fiscalização realizada pelo Ibama, são emitidos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). Os dados oficiais, por sua vez, pertencem ao Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes).

A área desmatada na Amazônia Legal, segundo dados divulgados em novembro de 2019, foi de 9.762 km² entre agosto de 2018 e julho de 2019.

Os dados de 2019 são os mais elevados dos últimos cinco anos. As maiores taxas de desmate desde 2015 foram registradas nos meses de maio, julho, agosto, setembro e novembro de 2019.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE

TECNOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>