• Home
  • Blog
  • Carnificina de 10 mil camelos na Austrália segue até domingo

Carnificina de 10 mil camelos na Austrália segue até domingo

0 comments

Crime: beber água. Sentença: execução a tiros.  A medida bárbara do governo australiano foi colocada em prática dia 8 

Os camelos serão mortos por atiradores em helicópteros. Foto Peggy und Marco Lachmann-Anke/Pixabay

Um deserto tingido de sangue com vários animais, adultos e filhotes, espalhados pela areia e agonizando até a morte – que pode levar horas ou dias. O cenário não é do século passado nem muito menos de algum país pequeno, sem estrutura ou cultura.

A medida drástica, cruel e antiética para “poupar água” que está em falta num país em chamas é da Austrália – um das nações de melhor IDH – Índice de Desenvolvimento Humano do mundo, com excelentes níveis educacionais, culturais, de habitação, saúde e economia estável.

O assassinato em massa, que começou na quarta-feira, dia 8, deve durar, à princípio, até domingo. Tendo suas comunidades invadidas  pelos camelos sedentos, os aborígenes  exigiram do governo um controle rápido dos animais, mas a medida adotada não combina em nada com um país desenvolvido e com capacidade de evitar atitudes como essas.

Investimentos em controle populacional evitariam qualquer medida drástica. Foto Moonzigg/Pixabay

A morte brutal virá do alto onde dezenas de helicópteros estarão lotados de atiradores com armas de longo alcance. Animais serão feridos nas pernas, dorso, cabeça… alguns terão a sorte de morrer na hora, mas muitos passarão horas e dias sangrando e sofrendo.

Triste não é a palavra que cabe em mais este episódio de atrocidades cometidas pelos humanos. As palavras que mais se encaixam são retrocesso e sadismo – duas coisas que absurdamente persistem em pleno século XXI.

A Austrália é um país rico em tecnologia e em pesquisas científicas. Por que não usar essas ferramentas para poupar a vida de milhares de animais que não têm como se defender e que nem sequer foram parar na Austrália por vontade própria?

Esses animais foram sendo levados para a Austrália a partir de 1840 para serem usados como via de transporte nos desertos. Depois passaram a atender o setor turístico. Há décadas eles carregam turistas pelo deserto australiano. Enquanto representavam lucro eram bem-vindos. Agora que são vistos apenas como “pragas” sedentas, a sentença foi execução sumária.

Os camelos feridos podem agonizar por horas ou dias no deserto australiano. Foto Logga Wiggler/Pixabay

Vários artistas e celebridades, principalmente australianos, estão doando milhões para o controle dos incêndios que assolam o país. Milhões. Será que parte desse dinheiro não poderia ser investido numa solução “humana” e positiva tanto para os camelos quanto para a comunidade aborígene?

Por que não se impediu a reprodução descontrolada dos camelos ao longo dos últimos anos? O país é próspero, tem estrutura, tecnologia… tem tudo!

Como se não bastasse autorizar a matança de cangurus como meio de controle populacional e também o massacre de gatos selvagens, agora o governo australiano cria mais uma medida sangrenta para seus problemas. Não é o único. Matança de rinocerontes, girafas e elefantes, dentre outros animais, também é frequentemente autorizada por países africanos. No Brasil o alvo de caçadores são os javalis, javaporcos e o que estiver no caminho. Até onça-pintada em extinção se mata com facilidade no Brasil.

E tudo isso em pleno ano de 2020. Nem é preciso dizer o quanto estamos moralmente, socialmente e espiritualmente “atrasados” apesar de sermos capazes de criar estações lunares e enviar sondas para Marte.

A Terra ainda é um mundo muito dividido: parte das pessoas fica perplexa diante dessas atrocidades, com o coração ferido dada a impotência de evitar tais tragédias, enquanto outra parte se diverte assassinando do alto criaturas que têm tanto direito de viver, inclusive de beber água, quanto qualquer outra sobre a face da Terra.

Isso vai entrar para a parte sombria de nossa história: já chegou o dia em que beber água tornou-se crime punível com morte lenta e dolorosa.

Para entender melhor o caso do massacre dos camelos acesse o link

Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e atuante na causa animal

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

About the Author

Follow me


{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
>