Vivissecção

O cão Perninha, ex-cobaia de faculdade de veterinária, finalmente ganha um lar

Explorado em experimentos dolorosos, o cão Perninha escapou da morte junto com outros 14 cães que foram todos adotados pouco tempo depois. Perninha esperou quatro anos.

Perninha ganhou esse nome porque, devido as sequelas do experimento, passou a mancar. Foto ONG Cão Sem Dono

Depois de angustiantes quatro anos de espera e uma adoção que durou pouco tempo porque terminou numa devolução ainda este ano, Perninha foi finalmente adotado este mês por um colaborador da ONG Cão Sem Dono de SP. Agora Perninha, que virou símbolo da luta contra a vivissecção no Brasil, está vivendo em Jaboticabal, no Interior de SP, junto com outros três cães.

Perninha foi cobaia do curso de veterinária da Universidade Federal de Viçosa em Minas Gerais, em 2015, com apenas um ano de idade. Ele passou dois meses em dolorosos experimentos que incluíam o rompimento dos ligamentos do joelho para provocar nele uma doença chamada orteoartrite, que é crônica e incurável. Perninha era um cão sem teto, jovem e saudável.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Após a tortura a que foi submetido junto com outros 14 cães, teve a liberdade decretada por ação judicial – um fato inédito no Brasil. Nunca antes um juiz havia decretado a soltura de cobaias em pleno processo de experimentação – resultado da pressão popular e da mídia. A ANDA, inclusive, cobriu todo o processo de soltura de cães desde as primeiras manifestações de ativistas.

Perninha era um cão em situação de rua jovem e saudável quando foi escolhido para ser cobaia de faculdade de veterinária. Foto ONG Cão Sem Dono

O tratamento para o problema ao qual Perninha foi cruelmente induzido poderia muito bem ser testado em animais que realmente tivessem a doença. Muitos cães morrem porque seus tutores não podem pagar tratamentos, no entanto, volumosas verbas ainda são destinadas para experimentos como esses que adoecem animais saudáveis para curar os doentes – brutal contradição.

Todos os companheiros de “cela” de Perninha e ele próprio tiveram sequelas. Perninha, aliás, recebeu esse nome porque passou a mancar. Ele foi levado para o abrigo da ONG Cão Sem Dono, em SP, junto com outros 6 cães do experimento, mas apesar de muito bonzinho, só ele não foi adotado na época.

Em 2017 Perninha finalmente ganhou um lar, mas este ano o devolveram para a ONG alegando problemas financeiros e de saúde. Ele, que é um símbolo da luta contra a vivissecção – uma das piores formas de escravidão, com sofrimento físico e emocional – finalmente ganhou lar recentemente.  Manca, mas é independente e aceita bem a medicação que precisa tomar pelo resto da vida como os demais cães que passaram por esse experimento.

Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e atuante na causa animal

 

 

 

7 COMENTÁRIOS

  1. Perninha.
    Deus contigo e com seu adotante.
    Muitas Felicidades !!!
    Se Deus permitiu você estar entre nós até hoje e porque há alegrias em teu caminho.
    Amo todos vocês !!!
    Muito Obrigada Adotante !!!!

  2. Perninha está comigo em Jaboticabal…não entendi pq ninguém o adotou…é dócil, brincalhão, se dá bem com outros cães, acredito q foi porque é idosinho, um pouco aleijado e srd. Está sendo tratado por especialistas pra tentar reverter ou diminuir seu problema na perna…

    • Márcio… sou a autora da matéria… ano que vem vamos fazer uma reportagem com o Perninha fazendo parte da sua família? Vou lhe enviar um email. A ANDA acompanhou todo o processo de soltura dos cães de Viçosa. Sempre torcemos muito pelo Perninha!

  3. Fico feliz pelo Perninha desejo que viva bem feluz.Uma duvida aunda tem caes sofrendo no bioterio da infeliz faculdade?Rezo que nao mesmo pq nao da para confiar em pessoas do genero que torturam seres indefesos.Espero
    os fiscalizem seriamente

  4. E muita crueldade, só de pensar em tais experimentos sinto dor por eles, amo muito os animais e agradeço a essa alma bondosa que o adotou, sonho com um mundo mais justo para com todòos animais.

  5. Quanta crueldade! Como uma pessoa pode aceitar este absurdo? Então, para estudar a doença de uma criança tem-se que sacrificar outra?
    Jesus, pobres animais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui