Sustentabilidade

Movimento antiaéreo alerta para emissões de carbono promovidas por aviões

Pixabay/Holgi

Se o setor de aviação fosse um país, seria o sexto emissor de CO2


O movimento antiaéreo faz um alerta para a insustentabilidade do uso de aviões. Até 2050, as aeronaves serão responsáveis por 25% das emissões de carbono no mundo. Atualmente, esse percentual é de cerca de 2,4%.

Pixabay/Holgi

Se o setor de aviação fosse um país, seria o sexto emissor de CO2. Simulações indicam, inclusive, que para eliminar a quantidade de carbono liberada por um voo de São Paulo a Londres seria necessário parar de comer carne vermelha durante quatro anos. As informações são do portal TAB, da UOL.

Uma das pessoas que milita a favor desse movimento é a ativista sueca Greta Thunberg. Ela levou 21 dias para cruzar o oceano Atlântico de barco a vela, da Virgínia, nos Estados Unidos, até a Europa, para participar Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, que será realizada até sexta-feira (13). De avião, o percurso seria feito em menos de oito horas.

O cantor Staffan Lindberg foi um dos pioneiros a se recusar a viajar de avião. Em 2017, ele anunciou sua decisão. O atleta Björn Ferry, medalhista olímpico, também passou a integrar a campanha que tem como palavra-chave o termo “Flygskam”, que significa algo como “vergonha por voar”.

“Se eu tenho um objetivo? Quero achar um estilo de vida sustentável, quero ser livre de derivados de petróleo até 2025. Então tenho que tentar”, disse Ferry, em entrevista à agência de notícias alemã DW.

Greta Thunberg (Foto: Reprodução/Instagram/Greta Thunberg)

“Você tem que pagar o preço de ter um objetivo, é o mesmo de quando eu tinha o sonho de me tornar um campeão olímpico. Não é suficiente só treinar duas vezes por semana, você tem que treinar todos os dias, por dez anos. É o mesmo com isso. Se significa ter que passar uns dias no trem, é isso que faço”, completou.

Em 2020, a campanha Flight Free passou a propor que, se mais de 100 mil pessoas assinassem o compromisso, todos parariam de voar. Fazem parte da campanha países como Dinamarca, Bélgica, Noruega e Reino Unido.

E as campanhas podem estar fazendo efeito. Segundo uma pesquisa publicada em junho pela Swedish Railways, uma companhia de trens da Suécia, as viagens de trem aumentaram 8% no país. Dados da Swedavia, que opera os dez aeroportos mais movimentados da Suécia, indicam também que os voos domésticos caíram 8% entre janeiro e abril de 2019. A WWF aponta que 23% dos suecos voaram menos em 2018 por conta do impacto no clima.

“Não voar não significa não viajar, existem muitos lugares onde podemos chegar com outros meios de transporte”, disse a coordenadora da campanha Flight Free 2020 no Reino Unido, Anna Hughes, à BBC. “Quanto mais você entende sobre o impacto climático de voar, mais você se sente culpado ao entrar em um avião”, completou.

Recentemente, o príncipe Harry e o ator Leonardo DiCaprio foram criticados por usarem jatinhos para participarem de eventos sobre o combate às mudanças climáticas.

No Brasil, a catarinense Mariana Martins Almeida aderiu à campanha contra os vôos. Ela velejou da Holanda até a Polônia no barco Rainbow Warrior, da ONG Greenpeace. “Há quem diga que mais do que falar em mudanças climáticas, precisamos falar sobre uma mudança no nosso sistema, que é todo baseado em recursos finitos”, explicou Mariana ao TAB.

Mariana mudou para a Holanda em 2017 e voltou para o Brasil em 2019. Ela contou que companhias oferecem voos dentro da Europa por preços bastante baixos.

“Fiquei abismada com a quantidade de vezes que as pessoas andam de avião na Europa, elas têm um estilo de vida e padrão de entretenimento muito elevado, e mesmo com as distâncias tão pequenas, muitas vezes preferem pegar avião”, disse a catarinense de 28 anos. “Se existe um voo de Amsterdã para Bruxelas, mesmo que essa seja uma viagem que leva 3 horas de carro, é porque há demanda”, completou Mariana, que também está cortando o consumo de carne.

Mariana e o namorado (Foto: Mariana Almeida/Arquivo Pessoal)

A catarinense passou também a engajar o namorado nesta luta, o sueco Marcus Lomax, de 27 anos. “Para ele, foi devastador ver a própria pegada de carbono, porque ele era habituado a viajar de avião desde pequeno, muitas vezes por ano”, contou.

“Fico chocada quando conheço holandeses que já visitaram diversos países europeus mas que nunca viajaram dentro da própria Holanda, sendo que há muito o que ver por aqui e o sistema de trem cobre boa parte do país”, contou.

“É tudo uma questão de compensação. Se todo mundo for mais consciente, ninguém precisa se privar”, concluiu Mariana.

Por meio do site Iniciativa Verde, cada pessoa pode calcular sua própria pegada de carbono e descobrir o quanto uma viagem aérea poderia prejudicar o planeta.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui