Ativismo

Leonardo DiCaprio divulga foto de índios contra o garimpo

Foto: Victor Moryama/ISA/Divulgação

DiCaprio denunciou a entrada de garimpeiros em terras indígenas para espalhar malária e contaminar rios com mercúrio


O ator norte-americano Leonardo DiCaprio publicou nesta quinta-feira (26) uma foto de índios contra o garimpo. Na imagem, feita durante um encontro entre povos indígenas brasileiros, os índios se posicionaram para formar as palavras “fora garimpo”. O objetivo é denunciar as extrações ilegais de minério nas terras das etnias Yanomami e Ye’kwana, em Roraima e no Amazonas.

Foto: Victor Moryama/ISA/Divulgação

“Fora garimpo – uma poderosa mensagem dos povos Yanomami e Ye’kwana do Norte do Brasil para o mundo. Apesar das leis brasileiras considerarem ilegal a mineração nas terras indígenas Yanomami, milhares de garimpeiros entraram recentemente no parque, uma das maiores reservas indígenas do Brasil, e espalharam malária e contaminaram os rios com mercúrio”, diz a publicação do ator.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“A invasão ocorre após o corte no orçamento das operações policiais da Amazônia no Brasil, deixando as áreas protegidas vulneráveis ​​à exploração. A última vez em que houve uma invasão dessa escala foi na década de 1980, quando cerca de um quinto da população indígena morreu devido à violência, à malária, à desnutrição, ao envenenamento por mercúrio, entre outras causas. Em um recente encontro das lideranças Yanomami e Ye’kwana, os povos enviaram uma carta às principais autoridades do Executivo e do Judiciário brasileiro. ‘Não queremos repetir essa história de massacre'”, completa.

A foto, feita em novembro pelo Instituto Socioambiental (ISA), que combate o desmatamento e protege povos tradicionais da Amazônia, tem o objetivo de fazer um alerta sobre a presença de garimpeiros ilegais na região e o risco de massacre. As informações são do G1.

 

Ver essa foto no Instagram

 

“No more mining” — a powerful message from the Yanomami and Ye’kwana peoples of northern Brazil to the world. Despite Brazilian laws that make mining on Yanomami Indigenous land illegal, thousands of goldminers have recently entered Yanomami Park, one of Brazil’s biggest indigenous reserves, spreading malaria and contaminating rivers with mercury. The invasion comes after the budget for Amazon law enforcement operations in Brazil was slashed, leaving protected areas vulnerable to exploitation. The last time there was an invasion of this scale was during the 1980s, when around one-fifth of the indigenous population died from violence, malaria, malnutrition, mercury poisoning and other causes. At a recent Yanomami and Ye’kwana Leadership Forum, the tribe leaders issued a letter to the main authorities of the Brazilian Executive and Judiciary. “We do not want to repeat this story of massacre,” reads the manifesto. Photo supplied by @socioambiental #foragarimpo #standwiththeyanomami

Uma publicação compartilhada por Leonardo DiCaprio (@leonardodicaprio) em

Na época, lideranças indígenas divulgaram uma carta que foi lida ela deputada federal Joênia Wapichana (Rede-RR) durante audiência pública na Câmara dos Deputados no dia 26 de novembro. O texto, assinado por lideranças das etnias Yanomami e Ye’kwana, foi elaborado durante uma reunião realizada na reserva, na região do Demini, em Roraima.

“Os garimpeiros estão envenenando as pessoas e contaminando nossos rios, nossos peixes, nossos alimentos e espantando nossa caça. Sabemos que o mercúrio usado no garimpo está contaminando nosso povo”, diz a carta. “Essa é a mensagem de todos os Yanomami e Ye’kwana juntos para todo o planeta”, acrescenta.

Uma manifestação realizada no início de novembro por garimpeiros fechou a BR-174 por quatro dias. Os manifestantes protestaram contra uma operação que desarticulou focos de garimpo ilegal e cobraram a regularização da mineração em terras indígenas, projeto estudado pelo governo federal, mas repudiado por índios e ambientalistas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui