Abuso e maus-tratos

Cavalo que puxava carruagem cai na rua enquanto condutor o chama de preguiçoso e o chuta

Após a divulgação do vídeo que se tornou viral nas redes sociais, manifestantes fizeram protestos na sede da empresa e ativistas fizeram ações envolvendo os animais explorados

Foto: Facebook
Foto: Facebook

As imagens das cenas de maus-tratos foram gravadas por espectadores chocados que presenciaram o momento em que o condutor da carruagem gritava com o cavalo caído e exausto. Logo em seguida o homem alterado gritou também com as testemunhas da cena que pediam que ele parasse.

O tutor do animal que desmoronou no meio de uma rua de Melbourne (Austrália) ainda defendeu o condutor da carruagem que parecia chutar o animal enquanto o chamava de preguiçoso.

“Levante-se, preguiçoso, f**** da p***, o condutor podia ser ouvido dizendo ao cavalo, chamado `Terça-feira´, nas imagens filmadas pela enfermeira veterinária Krista Knight.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O tutor do cavalo, Dean Crichton, saiu em defesa do condutor, dizendo que suas ações não eram “maliciosas”.

Ele reconheceu que o abusador, chamado Wayne, não deveria ter chamado Terça-feira de preguiçoso, mas que ele nunca machucaria o cavalo.

“Ele não chutou aquele cavalo com maldade, foi apenas um ‘empurrãozinho’, como se levantasse, como se seu companheiro caísse do lado de fora de um bar”, disse ele ao Daily Mail Australia.

“Wayne perdeu a calma, mas era uma situação muito estressante, com todos gritando com ele. Ele não costuma usar uma linguagem assim”.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

“Teria sido melhor se a veterinária tivesse colocado o telefone no bolso e ajudado, e eles teriam levantado o cavalo imediatamente”.

Um “choroso” Sr. Crichton contou como encontrou o condutor quando o homem era uma criança de rua, há 30 anos, e resolveu ajudá-lo e dar-lhe uma oportunidade.

“Ele adora cavalos e nunca os machucaria. Ele começou a polir os estábulos e buscar café”, disse ele tentando defender o indefensável.

“O cavalo tropeçou, ela não se machucou, só precisava de um pouco de ajuda para se levantar. A última vez que um dos nossos cavalos tropeçou foi há cinco anos”, insistia em alegar o tutor do animal

Durante o incidente, a sra. Knight implorou para que o homem parasse de chutar o cavalo.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Ela tentou explicar que o cavalo não podia se mover, pois ainda estava preso à carruagem.

“Querida, eu sei o que estou fazendo. Saia da frente”- rosnou com ironia em reposta o motorista exclusivo da empresa de carruagens Carriage Hire.

Crichton disse que a revolta e indignação que surgiram desde que o vídeo foi publicado online estavam afetando seus negócios, atividades essas, mantidas à custa de exploração dos animais.

O tutor disse que o cavalo Terça-feira foi colocado de volta no “trabalho” um dia depois e não sofreu ferimentos decorrentes do incidente.

O dono da empresa de passeios com carruagens explora cerca de cem cavalos que passam grande parte do tempo em piquetes e se revezam para puxar os veículos.

Ele contou que ativistas pelos direitos dos animais fizeram manifestações pedindo o fim de suas atividades: “Estamos sendo criticados todos os dias pelo que ocorreu”.

Terça-feira descansando | Foto: Facebook
Terça-feira descansando | Foto: Facebook

Os ativistas teriam entrado na sede da empresa, levado equipamentos de abuso, como freios e estribos, tornado carruagens inoperantes e libertado os cavalos de seus estábulos.

A responsável pelas imagens, Knight, disse que tudo o que os espectadores da cena estavam tentando fazer era ajudar o animal caído.

“O condutor da carruagem foi abusivo para com os civis e também com égua que se debatia e chegou a sangrar pela boca ”, escreveu ela nas redes sociais.

“Ele só precisava manter o cavalo calmo até que o animal pudesse ser ajudado. Uma vez em pé, ele imediatamente o anexou novamente à carruagem e continuou o passeio, sem oferecer água, sem checar as pernas do cavalo”.

“Precisamos de um protocolo para esse tipo de situação, e não de mais abuso ainda do que manter os animais presos e obrigá-los a trabalhar por dinheiro”, concluiu Knight

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui