Atleta vegano de 63 anos incentiva as pessoas a se juntarem a campanha Veganuary


Foto: Vegan for Life/Plant Based News
Foto: Vegan for Life/Plant Based News

Um atleta vegano de força (fisiculturismo) – que nunca comeu produtos de origem animal – está pedindo às pessoas que experimentem uma dieta baseada em vegetais, descrevendo a mudança para o veganismo como “uma das coisas mais nobres” que as pessoas podem fazer.

John Machin se uniu à Veganuary – uma ONG global sediada no Reino Unido, que incentiva as pessoas a experimentarem uma alimentação vegana no mês de janeiro numa campanha que existe desde 2014 – para motivar as pessoas a assinarem o compromisso de 31 dias se alimentando à base de vegetais.

Ele se junta a uma série de outros ativistas pelos direitos animais, incluindo Joaquin Phoenix, Alicia Silverstone, Mayim Bialik, Evanna Lynch, Monami Frost, George Monbiot, Jason Gillespie e muitos outros que apoiam a iniciativa.

“É fantástico”

“Eu admiro muito as pessoas que adotaram o veganismo em suas vidas”, disse o atleta em comunicado enviado ao Plant Based News (PBN).

Foto: Vegan for Life/Plant Based News
Foto: Vegan for Life/Plant Based News

“É uma grande mudança de estilo de vida, nunca passei por isso, sempre fui vegano, então acho que é uma das coisas mais nobres que você pode fazer é mudar o hábito de uma vida, todas as emoções associadas com ele, apenas pelo bem dos animais. É fantástico”.

“Resultados físicos espetaculares”

Machin falou sobre sua impressionante força física no início deste ano, dizendo que queria derrubar mitos sobre veganos serem “pálidos, fracos e magros” em um comunicado enviado ao PBN.

Ele disse: “Espero mostrar que o oposto exato disso pode ser verdadeiro. Com 63 anos, também posso demonstrar que a vida de alguém que come apenas alimentos à base de vegetais oferece resultados físicos duradouros e espetaculares”.

“Sou vegano desde a infância. Naquela época, pessoas como eu eram conhecidas como comedores exigentes. Se meus pais me davam algo de um animal, como carne ou laticínios, eu me sentia enojado; eu nem pensava em comê-lo. Eu sabia que isso me deixaria fisicamente doente”.

“Isso causou certa consternação e aos cinco anos, fui informado, de forma grave e séria por nosso médico que, a menos que começasse a comer carne e laticínios, não viveria até os 10 anos. Acho que ele errou feio ao afirmar isso”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AÇÃO HUMANA

ABUSO

ÓRFÃO

COREIA DO SUL

SOB INVESTIGAÇÃO

AGRESSÃO BRUTAL

INSTINTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>