Histórias felizes de quem adotou um animal no Natal


A cadelinha Pandora e a gatinha Bia foram abandonadas e adotadas às vésperas do Natal de 2015. Passados quatro anos as duas estão com suas famílias aumentadas e muito felizes

Pandora foi adotada no Natal de 2015. Anos depois chegou Giovanna, a irmãzinha humana. Foto arquivo pessoal

Adotar um animal às vésperas do Natal é um presente de mão dupla: a pessoa pratica um ato solidário dando um lar para um cachorro ou gato, mas também ganha um companheiro imensamente grato por toda a vida. As adoções se fazem ainda mais necessárias nessa época do ano porque, lamentavelmente, muitas pessoas abandonam os animais por conta das férias e festas de final de ano.

É por isso que foi criada a campanha nacional “Dezembro Verde” que procura combater o abandono justamente nesse período quando, não só no Brasil, mas no mundo todo, muitos animais são deixados para trás. É o caso da jovem Luna: uma bela e amorosa gata tricolor largada na rua em pleno cio há alguns dias.

Luna, de 8 meses, foi abandonada neste mês de dezembro e aguarda adoção. Foto arquivo pessoal

Pela índole extremamente afetuosa, é fácil deduzir que Luna, que tem por volta de oito meses de idade, cresceu numa casa onde recebeu muito carinho, pois, é exatamente isso que ela faz o tempo todo: manifesta carinho efusivamente se esfregando nas pernas das pessoas, pedindo colo e encostando a cabecinha no peito de quem a agrada. É uma maquininha movida a amor. Luna foi castrada recentemente e aguarda adoção em SP pelo WhatsApp 11-94682-6104.

A jovem Luna é um clássico exemplo de abandono na época de festas de final de ano. Ela aguarda adoção. Foto arquivo pessoal

Finais felizes e inspiradores

Em 2015, a cadelinha Pandora teve uma história semelhante à Luna. Foi abandonada e entrou no cio. Uma protetora independente percebeu a situação crítica da cadelinha na rua, acolheu-a, castrou e divulgou nas redes sociais. O casal de médicos, Sabrina Polycarpo e Eduardo Barros, de SP, viram o post no Facebook e se apaixonaram pela cadelinha que passou a se chamar Pandora.

“Pela descrição da protetora, Pandora tinha um perfil semelhante ao que procurávamos. Não era filhote, mas uma cadelinha jovem, alegre, sociável e o charme de ter uma das orelhas caídas nos encantou à primeira vista”, conta Sabrina.

A pequena Giovanna desfruta da companhia de Pandora que foi adotada no Natal de 2015. Foto arquivo pessoal

“Como não fizemos planos de viajar, resolvemos aproveitar as duas semanas de férias para a adaptação de Pandora conosco. Preferi adotar porque sou contra criadouros de cães. Além disso, é melhor a gente fazer o bem, já que tantos bichinhos estão abandonados”, comentou a médica.

Quatro anos se passaram e hoje Pandora tem uma “irmã humana”, a Giovanna. Essa história com final feliz e a da gatinha Bia, também adotada às vésperas do Natal de 2015, foram retratadas pela ANDA como uma forma de incentivar a adoção de animais e evitar a compra de filhotes.

Bia foi adotada em SP pela programadora de computador Janaína Lopes Bastos no dia 14 de dezembro. A gatinha já tinha sido adotada antes, mas foi devolvida. “Ao voltar para o gatil da ONG, Bia ficou muito deprimida, emagreceu bastante e ficava num canto isolada, bem triste”, contou Janaína que na época já tinha seis gatos.

Bia ganhou um lar às vésperas do Natal onde já moravam outros seis gatos. Foto arquivo pessoal

Agora a família está maior, pois Janaína adotou mais gatos e no momento tem nove incluindo Bia: “Todos são adotados de ONGs como a Gatinhos da Vila Prudente, Adote um Gatinho, Toca dos Gatinhos e direto da rua mesmo”. Ela acredita que adotar é muito melhor que comprar: “Adotar é dar uma chance para um bichinho que precisa muito de amor e cuidados. Salvar um gatinho da vida difícil das ruas não tem preço”.

Bia já tinha sido adotado e devolvida, mas cativou o coração de Janaína Bastos. Foto arquivo pessoal

Video comovente feito por ONG francesa

A Fundação “30 Millions d’Amis” (30 Milhões de Amigos) da França criou esse ano uma campanha contra o abandono que teve mais de 45 milhões de visualizações nas redes sociais. São 100 milhões de animais abandonados por ano na França. No Brasil 30 milhões vivem nas ruas segundo estimativa da OMS Organização Mundial de Saúde.

O vídeo, assinado pela agência “Altmann + Pacreau”, mostra várias pessoas abandonando seus animais enquanto cantam ironicamente “We are the Champions” ou “Nós somos os campeões” (canção famosa de Freddy Mercury/Queen). Segundo a ONG a ideia foi justamente apontar essa “vergonha nacional da França como campeã no abandono de animais” na Europa. Vale a pena ver. Muito criativo e comovente.

Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e atuante na causa animal


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PRESERVAÇÃO

VAQUINHA ON-LINE

FINAL FELIZ

LEALDADE

COMPROMISSO

ESPECIAL

MAUS-TRATOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>