Maus-tratos

Caso de rinha de cães em Mairiporã (SP) repercute na mídia internacional

Divulgação

O New York Post e o Daily Mail foram alguns dos jornais internacionais que noticiaram o crime cometido contra os cães


O caso dos cachorros explorados em uma rinha na cidade de Mairiporã, no interior de São Paulo, repercutiu internacionalmente, tendo sido noticiado pelos principais jornais do mundo.

Divulgação

O americano New York Post elogiou a ação decisiva da polícia ao desmantelar um esquema de rinha de cães internacional, prendendo dezenas de pessoas por envolvimento no crime. O jornal mencionou ainda o “ritual macabro” de fazer churrasco com carne de cachorro e servir aos espectadores e ressaltou o estado deplorável dos cães resgatados.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O inglês Daily Mail abordou a crueldade a qual os animais foram submetidos, sendo obrigados a lutar até a morte. O jornal também demonstrou repúdio ao caso do cão assado para ser consumido pelos frequentadores do local. O fato de duas crianças de 12 e 14 anos acompanhadas pelo pai estarem presentes no local também foi destacado pelo jornal.

O alemão Deutsche Welle comentou sobre o treinamento dado aos cães, que tinham pimenta colocada em seus focinhos para ficarem mais “nervosos” e “raivosos” durante as brigas. Os cães encontrados com vida pela polícia são descritos como desnutridos, famintos, cobertos de feridas abertas pelo corpo, com dificuldade para andar e urinando sangue. O jornal contou ainda que os cães passavam fome, sede e eram espancados.

Divulgação

Outro jornal inglês, o The Sun, chamou de “doentio” o esquema de luta de cães e classificou as condições em que os animais eram mantidos como “vergonhosas”. O envolvimento de um veterinário na rinha também foi noticiada com destaque, assim como a presença de filhotes entre os animais resgatados com vida.

O chinês China Morning Post chamou de “bárbaros” os ringues de luta brasileiros onde os cães eram obrigados a lutar até a morte, enquanto apostadores do mundo todo, via internet, pagavam pelo “espetáculo de horror”. O estado “lastimável” em que os cães foram encontrados também foi relatado e em especial o caso de um dos animais, encontrado deitado sobre uma mesa de aço, à beira da morte, sem forças para levantar e sem qualquer tratamento.

Entenda o caso

A Polícia Civil desarticulou uma rinha de cachorros em Mairiporã (SP) neste sábado (14). Quarenta e uma pessoas foram presas e 19 cães foram resgatados, todos da raça pit bull. Um cão foi encontrado morto e outro assado para consumo.

Foto: Marcelo Assunção/TV Globo

Dois apostadores peruanos, dois mexicanos e um norte-americano foram presos. Um policial militar também foi detido. Todos foram encaminhados à Delegacia de Crimes Contra o Meio Ambiente.

A Justiça, no entanto, determinou a soltura de 40 dos 41 presos, mantendo a prisão apenas do suspeito de organizar a rinha. Eles irão responder pelos crimes de maus-tratos a animais com agravante de morte, prática de jogos de azar e associação criminosa.

Os cachorros resgatados foram encaminhados para três entidades de proteção animal, assim como animais silvestres que também foram encontrados no local.

Os presos

O jornal Correio Braziliense divulgou uma lista com os nomes dos presos na operação policial que desmantelou a rinha. São eles: Renato Henrique Gambirasi, Michel Rodrigues Salles, Marcos da Silva Lima, Marcos Antônio Fischer, Brayhan Luís Canavag Escobar, João Vitor Monteiro Ribeiro, Vinicius de Oliveira Albuquerque, Pedro Moita Bitencourt Bandeira, Dion Lopes da Rocha, Fabrício da Fonseca Bastos, Leonidas Bueno Fernandes Filhos, André Luis Sotero Vital, Pablo Sepulvida Buarque Franco Netto, Hamilton Rufus Rukhan, Kleberson José Fernandes, Alexandre do Carmo Francisco, Helio Batista Fernandes de Moura, Bruno Ribeiro Rodrigues, Camilo Narcizo Alvarenga, Rodrigo Weber, Renan Leiva Fernandes, Leandro Pereira Pimentel, Alex Martins Neves, Francisco Rodrigo Coimbra, Riceli Rocha a Silva, Edivan Farias de Albuquerque Filho, Domingos Caetano Pereira Pimentel, Emanuel dos Santos Moreira, Rayan Marques Fernandes, Marlon Gleison Ferreira, Fabio Nogueira, Sérgio Cuauhtemoc Martinez Lara, Jorge Pina Loredo, Sérgio Gerson Pulles Castillo, Leandro Fernandes Duarte, Gabriel Pereira Pimentel, Italo Silva Costa, Djoy Paxiuba Oliveira Lucena Rodrigues, Ronald Ferreira Vasconcelos, Bruno Souza Araújo de Oliveira e Gustavo da Silva Segismundo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


6 COMENTÁRIOS

  1. Em todas as nacionalidades tem gente pervertida, a não criação da raça pelos brasileiros não justifica essa barbárie
    Só não entendo por que não é contado dos sádicos envolvidos o tratamento de recuperação dos animais,ódio e desprezo é o que nos resta sentir

  2. Discordo Miriam, nem todos americanos criaram a raça assim como nem todos os brasileiros gostam de rinhas. Não se pode generalizar.
    Quanto maior a divulgação deste fato odioso, mais chances destas bestas humanas do mundo todo pararem de apostar e assistir, pelo medo de serem presos ou detonados pela população. São sádicos, psicopatas e precisam perceber que o mundo não apoia este comportamento, já que a lei permite que vivam em sociedade.

  3. Deus criou os animais para serem amados e respeitados não para serem usados destas formas.essa crueldade tem que acabar .. não somos seres primitivos até onde sabemos evoluímos ou não?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui