Barbárie

Cães explorados em rinha eram assados para consumo em Mairiporã (SP)

Reprodução / Instituto Luisa Mell

A polícia resgatou 19 cachorros. Alguns deles possuem escoriações pelo corpo e cinco estão em estado grave


Os cachorros explorados em uma rinha na cidade de Mairiporã (SP) não só eram forçados a brigar, o que os deixava bastante machucados, como também eram assados.

Reprodução / Instituto Luisa Mell

O delegado Matheus Laiola contou que os pit bulls estavam brigando em uma arena improvisada quando a polícia chegou ao local.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Encontramos um cenário de duelo, cachorro brigando, cachorro já morto, outros machucados, inclusive animal assado. Eles comiam e davam para outros animais comerem”, explicou ao portal R7.

Três ONGs de proteção animal – “Instituto Luisa Mell”, “Encontrei um Amigo” e “Pits Ales” – resgataram os 19 pit bulls que estavam no local. A polícia prendeu 41 pessoas, entre elas um médico, um policial militar e um veterinário, que teve o nome revelado pelo CRMV (confira nota oficial da instituição clicando aqui).

Medicamentos também foram apreendidos. De acordo com o delegado Jan Plzak, havia “estimulantes, mas tinham outros remédios que eram usados nos animais já feridos. Não porque eram bonzinhos, mas para reabilitá-los para a próxima luta”.

Alguns cachorros possuem escoriações pelo corpo e cinco estão em estado grave, segundo a médica veterinária Marina Passadore. Um deles corre risco de morrer. “Encontraram testosterona que aplicavam nos machos para estimular e aumentar a agressividade. Eles são muito bonzinhos com seres humanos, não morderam ninguém, todo mundo pegou no colo. Mas não deu para colocar um perto do outro que eles se pegam como se fosse a rinha”, contou a veterinária.

Os cães serão submetidos a exames e após serem castrados serão avaliados para que seja analisada a possibilidade de serem disponibilizados para adoção.

As pessoas que foram presas por envolvimento na rinha irão responder pelos crimes de maus-tratos a animais, associação criminosa e prática de jogo de azar. As penas podem passar de cinco anos de detenção.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


5 COMENTÁRIOS

  1. Deus desça já,em nome de Jesus….senhor não é possível que o Sr tenha feito Noé envelhecer na construção de uma arca,visando uma espécie de cada sexo,para garantir no futuro que animais existissem em nosso meio para sofrerem desse jeito,nas mãos humanas…senhor entra com sua providência…pelo amor.de Deus…..seres humanos,deixem os bichinhos viverem em paz….coitados meus Deus…. insuportável dor…

  2. Sr juiz pelo menos destine as multas das fianças para as ONGS que estão cuidando desses inocentes. Para o sr de alguma forma ficar em paz com sua consciência.

  3. Gente quanta selvageria, covardia, maldade, chega a me faltar palavras pra continuar o comentário, é muito doloroso, ñ só pra esses inocentes animais como para nós q/ os amamos de verdade, como acreditar no “ser humano” q/ se diz médico e veterinário e se contradiz participando de uma monstruosidade dessa, cadê a justiça, esses monstros ñ vão nem esquentar as celas dos presídios, esses são os verdadeiros marginais de alta periculosidade dos quais a sociedade deve se prevenir e temer, pois são capazes de qualquer maldade, espero q/ as pessoas nunca mais procurem esses dois monstros que se intitulam médicos e fazem uma desgraça dessa natureza, se a justiça ñ faz nada, façamos nós com a nossa VOZ, pois a Voz do povo é a VOZ de Deus, concordam?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui