Repense

Que tal se tornar vegano no Dia do Veganismo?

Data que marca a oposição à exploração animal serve para motivar quem não é vegano a considerar essa importante transição

Qual a melhor forma de demonstrar respeito aos animais do que se recusando a consumi-los (Foto: Jack Taylor/Getty)
Qual a melhor forma de demonstrar respeito aos animais do que se recusando a consumi-los (Foto: Jack Taylor/Getty)

Celebrado nesta sexta-feira (1), o Dia Mundial do Veganismo é uma data que marca a oposição à exploração animal e serve para motivar quem não é vegano a considerar essa importante transição para uma vida mais compassiva, de respeito aos seres não humanos.

E qual a melhor forma de demonstrar esse respeito do que se recusando a consumir alimentos e outros produtos de origem animal que não existiriam sem que espécies sencientes não humanas fossem subjugadas e/ou mortas?

Parece difícil? Mas não é. Na realidade, é mais simples do que qualquer pessoa possa imaginar, bastando apenas um pouquinho de força de vontade e de empatia por espécies que infelizmente todos os anos matamos aos milhões e bilhões e, sobretudo, sem haver necessidade.

Ao querer mudar, é preciso apenas considerar um novo aporte de informações, se abrir para um conhecimento que permita enxergar que é possível garantir mais qualidade de vida sem a anuência da violência contra os animais. E se isso é possível, por que não tentar? Não há nada a perder, só a ganhar.

Carne, leite, ovos, enfim, quaisquer alimentos de origem animal, são desnecessários para uma vida mais saudável. Se fosse mentira, veganos saudáveis não existiriam, certo? E se esses alimentos, consumidos por motivações diversas, podem ser facilmente substituíveis por fontes vegetais, bastando apenas um pouquinho de interesse em se informar a respeito, reflita então sobre todos os outros produtos baseados em animais. Desnecessários, não?

Hoje, com o crescimento do veganismo, além do farto material diverso disponível sobre o assunto, temos cada vez mais pessoas ao nosso alcance que podem nos ajudar nessa jornada, e que farão isso com um sorriso no rosto, em retribuição à confiança e apreciação da nossa vontade de mudar.

Independente de quais sejam nossas dúvidas, todas podem ser sanadas quando o assunto é uma transição para uma vida vegana. Independente de classe social, todos tempos condições de contribuir com os animais. Mais uma vez, bastando querer.

E ao ajudá-los, reconhecendo que eles não merecem ser explorados para o nosso benefício, ainda que não busquemos qualquer tipo de recompensa, também nos ajudamos ao manifestarmos franca oposição à desconsideração dos interesses de tantos seres sencientes vulneráveis.

Afinal, podemos viver melhor sem tomar parte na violência contra os animais. E fazendo isso, deixamos claro que buscamos mais justiça, um aperfeiçoamento moral não conveniente, menos desrespeito à vida e mais consideração ao que é o outro e às suas vontades.

E acredito sempre que temos mais condições de respeitar um semelhante quando respeitamos um diferente. Porque é o respeito às diferenças e não as similitudes que nos colocam em ponto de avaliação menos rarefeita ou tendenciosamente oportuna.

E se não apenas enxergamos os outros, no caso os animais, mas também reconhecemos os seus valores para além das nossas balizas de interesses, o fazemos por um viés de ampliação da nossa própria racionalidade e sensibilidade, que já não podem ser subjugadas por simples, efêmera e mutável vontade, ainda que tenha sido fundamentada sob os ditames culturais do costume ou da propaganda.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui