Queda de demanda

Produção de leite no Mato Grosso do Sul cai 47%

Por outro lado, mercado brasileiro de alternativas aos laticínios cresceu 51,5% em 2018

Em 2013, a produção leiteira do estado era de 197,560 milhões enquanto que em 2018 o total caiu para 104,356 milhões | Pixabay
Em 2013, a produção leiteira do estado era de 197,560 milhões enquanto que em 2018 o total caiu para 104,356 milhões | Pixabay

De acordo com informações do Sindicato das Indústrias de Laticínios de Mato Grosso do Sul (Silemes), a produção de leite no estado já caiu 47% em relação aos últimos cinco anos. Problemas na cadeia produtiva, impostos e baixo preço do produto são apontados como principais causas. Em 2013, a produção leiteira do estado era de 197,560 milhões enquanto que em 2018 o total caiu para 104,356 milhões.

E a falta de perspectiva para o setor não diz respeito apenas ao Mato Grosso do Sul, que é um dos maiores produtores de leite do país. Segundo a Embrapa, em 2018 o Brasil registrou crescimento de 0% na produção leiteira. O setor passou e continua passando por um período de estagnação e queda – com o Brasil registrando volumes anuais de produção bem inferiores àqueles registrados em 2014.

Além disso, foram registradas mudanças nos hábitos de consumo. Segundo pesquisa realizada pela Kantar Worldpanel, o leite UHT deixou de entrar na residência de pelo menos 611 mil famílias brasileiras em 2018. E o crescente interesse por alternativas livres de lactose e não lácteas tem beneficiado quem está investindo em um mercado que prioriza ingredientes de origem vegetal.

Prova disso é que o mercado brasileiro de alternativas aos laticínios cresceu 51,5% em 2018, e ofertas à base de soja, arroz, aveia, coco e amêndoas lideraram uma movimentação de R$ 545 milhões, segundo a empresa global de consultoria Euromonitor International.

E esse mercado deve continuar surpreendendo. A previsão é de crescimento global de mais de 40% até 2023, segundo a ResearchandMarkets. Há também uma previsão de que os iogurtes à base de vegetais podem superar os iogurtes lácteos a partir de 2025, pelo menos na América do Norte, segundo relatório da Data Bridge Market Research (DBMR), que considera em proporcionalidade a queda no consumo de laticínios e o crescimento da procura e da oferta por alternativas baseadas em vegetais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui