Estudo

Grama pode se tornar fonte de proteína para humanos

Segundo os pesquisadores, a proteína de grama pode ser um grande avanço tratando-se de fontes mais sustentáveis de proteínas

“[A proteína da grama] deve ser um produto barato, que ofereça boas funcionalidades e seja saboroso” | Pixabay

“[A proteína da grama] deve ser um produto barato, que ofereça boas funcionalidades e seja saboroso” | Pixabay
De acordo com um grupo de cientistas do Instituto Nacional de Alimentos da Universidade Técnica da Dinamarca (DTU) e da Universidade de Aarhus, também na Dinamarca, a grama pode se tornar fonte de proteína para humanos.

Mas para isso, eles estão desenvolvendo um método para destilar a proteína da grama, principalmente da variedade azevém, permitindo que humanos possam metabolizá-la. Segundo os pesquisadores, esse pode ser um grande avanço tratando-se de fontes mais sustentáveis de proteínas.

O pó resultante da grama, e já produzido pelos cientistas, tem um perfil de aminoácidos semelhante ao do whey protein, da soja e dos ovos. O objetivo também é reduzir o sabor naturalmente amargo da grama, favorecendo sua aplicação em diferentes preparos.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Em entrevista ao FoodNavigator publicada no último dia 12, o professor do Instituto Nacional de Alimentos da DTU, Peter Ruhdal Jense, destacou que uma das vantagens da grama é que é uma matéria-prima de baixo custo, assim como a soja.

“[A proteína da grama] deve ser um produto barato, que ofereça boas funcionalidades e seja saboroso”, disse Jense, acrescentando que especialmente entre os jovens que demonstram mais preocupação com a sustentabilidade e o meio ambiente a proteína de grama pode se popularizar rapidamente.

Antes da comercialização da proteína da grama, o produto deve passar por uma análise que comprove que é seguro para consumo humano. “O papel do instituto é contribuir para que nos aproximemos de uma mudança radical em nossos hábitos alimentares – longe das proteínas de origem animal que têm impacto adverso no meio ambiente”, justificou Peter Ruhdal Jense.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui