Início Notícias Mais de 11 mil cientistas declaram que planeta enfrenta emergência climática

Mais de 11 mil cientistas declaram que planeta enfrenta emergência climática

Pixabay/TheDigitalArtist

Os cientistas assinaram um artigo alertando sobre as mudanças climáticas e afirmaram que “para garantir um futuro sustentável, devemos mudar nossos modos de vida”


Mais de 11 mil cientistas de 153 países assinaram, na terça-feira (5), um artigo para declarar que o planeta enfrenta uma emergência climática. O documento foi publicado no periódico “Bioscience”.

“Os cientistas têm a obrigação moral de alertar claramente a humanidade sobre qualquer ameaça catastrófica e de ‘dizer como é’. Com base nessa obrigação e nos indicadores gráficos apresentados, declaramos, com mais de 11 mil signatários cientistas de todo o mundo, clara e inequivocamente que o planeta Terra está enfrentando uma emergência climática”, diz o artigo.

Pixabay/TheDigitalArtist

De acordo com o documento, desde a Primeira Conferência Mundial do Clima, realizada em 1979 em Genebra, já eram feitos alertas sobre as tendências de mudança no clima – o que também foi feito na Eco 92, no Rio de Janeiro, durante a elaboração do Protocolo de Kyoto, em 1997, e no Acordo de Paris, em 2015.

“No entanto, as emissões de gases de efeito estufa (GEE) ainda estão aumentando rapidamente, com efeitos cada vez mais prejudiciais ao clima da Terra. É necessário um imenso aumento de escala nos esforços para conservar nossa biosfera, a fim de evitar sofrimentos incalculáveis devido à crise climática”, atesta o documento.

O artigo foi publicado um dia depois dos Estados Unidos enviarem notificação à ONU para confirmar a saída do Acordo de Paris, que estabelece metas para os países manterem o aquecimento global abaixo de 2ºC, com o objetivo de reduzi-lo a 1,5ºC.

Segundo os cientistas, além do debate sobre o aumento da temperatura no planeta, é preciso considerar também outras questões, como o aumento da população mundial e de bois explorados para consumo humano, produto interno bruto mundial, consumo de combustíveis fósseis, emissões de CO2 per capita, entre outros fatores.

O manifesto cita também o desmatamento da Amazônia como fator que incentiva as mudanças climáticas. Em relação a essa questão, a criação de animais para consumo humano é uma das principais causas desse desmatamento.

“Para garantir um futuro sustentável, devemos mudar nossos modos de vida”, afirmam os cientistas.

Nota da Redação: a ANDA recomenda que cada pessoa faça a sua parte no que se refere às mudanças climáticas. É preciso por fim à incoerência de lamentar os estragos causados pelo aquecimento global enquanto se consome produtos de origem animal, que são devastadores para o meio ambiente. Áreas extensas são desmatadas para dar lugar a pasto para criar animais, que produzem grande quantidade de excrementos, poluindo o solo e a água, e que liberam gases de efeito estufa. Além disso, imensas quantidades de água são desperdiçadas para a fabricação de produtos de origem animal – 1 kg de carne, por exemplo, demanda 16 mil litros de água em toda sua cadeia produtiva. Sendo assim, a ANDA recomenda aos leitores que façam escolhas éticas e adotem o veganismo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui