Porcos são usados como cobaias em simulações de colisão de veículos em alta velocidade


Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Ativistas pelos direitos animais descobriram e denunciaram o abuso extremo e a crueldade absurda que pesquisadores chineses estão praticando ao usar porcos vivos como manequins em testes de colisão.

Quinze porcos jovens foram presos a bancos de carros em simulações de impacto de alta velocidade em um teste que matou sete deles imediatamente.

Os animais não receberam comida e água por horas antes dos testes e sofreram uma série de lesões, incluindo sangramento, laceração e hematomas internos.

Porcos e outros animais já foram usados anteriormente em testes de colisão nos Estados Unidos, mas a prática foi encerrada na década de 1990.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Na quinta-feira última (31), Zachary Toliver, da ONG PETA, condenou a prática que chamou de atitude “cruel” e “injustificável” de desrespeito à vida.

“Apesar da existência de modelos para teste sofisticados e livres de animais, os pesquisadores continuam a prender animais indefesos e assustados em assentos de carro para colidir com muros de concreto até que seus corpos estejam sangrando, machucados e mutilados”, disse ele.

“Os porcos que saem vivos das colisões são severamente prejudicados nesses testes, que os deixam com ossos quebrados e ferimentos internos graves antes de serem mortos e dissecados posteriormente”.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Toliver revela que os porcos não se sentam naturalmente em assentos de carro. Sua anatomia também é muito diferente da dos seres humanos, portanto, os dados obtidos nessas horríveis experiências com animais não são aplicáveis a vítimas de acidentes de carro em humanos.

“As empresas de automóveis descobriram, anos atrás, que esse tipo de experimento é inútil e não nos diz nada sobre uma experiência humana em um acidente de carro”, afirma o ativista. “O uso de animais sencientes nos testes de batidas de carro é cruel, arcaico e injustificável”.

A PETA informou ter escrito ao Instituto de Medicina de Trânsito da China para pedir que parem de usar animais em seus testes.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Os pesquisadores justificaram o uso de porcos dizendo que sua estrutura anatômica era “semelhante” à de crianças humanas.

Os porcos eram usados com a intenção de “imitar crianças de seis anos”, explicaram os pesquisadores em seu artigo no International Journal of Crashworthiness.

Os cientistas insistiram em seguir as diretrizes dos EUA para o uso de animais de laboratório e disseram que o estudo havia sido aprovado por um comitê de ética.

No experimento, quinze porcos no total foram amarrados a vários tipos de cintos de segurança em banco de carros e submetidos a testes de alta velocidade até 50 km/h.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Os animais foram posicionados e amarrados em um assento montado em mecanismo tipo um trenó de arranque, feito para bater com toda violência em uma parede.

Os porcos tinham entre 70 e 80 dias de idade e não receberam comida por 24 horas antes do experimento.

Eles também tiveram água negada por seis horas antes, mas receberam anestesia para reduzir a “excitação e o estresse”.

“Dos animais testados, sete morreram imediatamente após o impacto e o restante sobreviveu seis horas após o teste”, disseram os cientistas.

Em seguida, os especialistas realizaram “necropsias” detalhadas para determinar exatamente como os porcos foram feridos e mortos.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

“Os tipos comuns de lesões incluem abrasão, contusão, laceração, sangramento e fratura”, acrescentaram os cientistas no estudo que foi publicado online no início deste ano.

A PETA promove protestos contra esses experimentos nos Estados Unidos há muitos anos, o que levou a General Motors a anunciar o fim dos testes em animais em 1993.

“É horrível olhar para trás agora e imaginar que os animais foram deliberadamente atirados nas paredes em alta velocidade nos testes de colisão de carros”, disse o grupo que atua em defesa dos direitos animais.

A empresa admitiu ter usado milhares de cães, coelhos, porcos, furões, ratos e camundongos em seus laboratórios nos últimos 10 anos.

Os manequins modernos de teste de colisão são altamente avançados e podem custar centenas de milhares de dólares.

Equipados com gravadores de dados que medem o impacto de um acidente, os manequins também foram adaptados a formas e tamanhos maiores para refletir com maior precisão a população moderna.

Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.
Foto: Qiaolin Wang, Hongyi Xiang, Sishu Guan, et al.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"62516":{"name":"Main Accent","parent":-1}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default Palette","value":{"colors":{"62516":{"val":"rgb(255, 255, 255)"}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
DOE AGORA

COMPARTILHE:

Você viu?

DESPEDIDA

RETROCESSO

FINAL FELIZ

CRIMES

ENCALHE

LIVRE DE PRECONCEITOS

CRIME

POLUIÇÃO

EXPLORAÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
>