Denúncia

Zimbábue é suspeito de enviar secretamente bebês elefantes para zoológicos chineses

O grupo de animais mostrado nas imagens da denúncia é formando por 35 elefantes, todos com menos de seis anos e dois deles ainda são alimentados com mamadeira

Foto: Metro UK/Reprodução
Foto: Metro UK/Reprodução

Os ativistas estão preocupados com o fato de os animais estarem sendo exportados em massa antes que a proibição entre em prática, imagens divulgadas mostram um rebanho de 30 filhotes mantido em cativeiro.

Ativistas pelos direitos animais denunciam que Zimbábue possa estar secretamente enviando filhotes de elefantes em massa para zoológicos chineses, antes que uma proibição seja introduzida no próximo mês no país.

As preocupações foram levantadas depois que imagens divulgadas mostraram o rebanho filhotes mantido em cativeiro no Parque Nacional de Hwange, quase um ano depois de terem sido retirados de seu habitat natural.

Um acordo para proibir as exportações de elefantes do Zimbábue e de Botsuana foi decidido na reunião de agosto da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Flora e Fauna (CITES).

No entanto, a proibição não entra em vigor até 26 de novembro, levando os ativistas a temer que o Zimbábue exporte os elefantes antes do prazo para evitar a proibição.

Segundo a CITES, o Zimbábue já havia enviado 108 jovens elefantes para zoológicos na China desde 2012.

O temor pelo bem-estar dos últimos elefantes aumentou em fevereiro deste ano, quando a Humane Society International/África (HSI/África) revelou imagens dos animais espremidos nas pequenos cercados no Nacional de Hwange.

Todos estavam com os olhos arregalados, com as orelhas abertas em uma postura defensiva e com manchas escuras na lateral do rosto, o que é um indicador de que estão estressadas.

Foto: Metro UK/Reprodução
Foto: Metro UK/Reprodução

Todos têm menos de seis anos e, de acordo com o HSI/África, dois estão sendo alimentados com mamadeira, o que significa que não foram desmamados adequadamente de suas mães ausentes.

Uma fonte disse aos ativistas que os Parques do Zimbábue e o Departamento de Gerenciamento de Incêndios Florestais solicitaram vistos para os elefantes, enquanto autoridades chinesas chegaram ao Parque Nacional de Hwange para fazer os preparativos para o envio.

Suspeita-se que uma empresária chinesa supostamente responsável por intermediar todas os envios e compras de elefantes anteriores esteve presente no parque.

Os ativistas dizem que os elefantes foram mantidos em cativeiro por muito tempo para serem devolvidos à natureza, mas poderiam ter sido realojados em um santuário onde se misturariam com elefantas mais velhas para desenvolver suas habilidades de socialização e seu bem-estar.

Foto: Metro UK/Reprodução
Foto: Metro UK/Reprodução

Especialistas em elefantes e grupos de proteção da vida selvagem em toda a África pediram que os planos de envio dos animais fossem interrompidos e que todas as capturas futuras fossem proibidas imediatamente.

Audrey Delsink, bióloga de elefantes e diretora do departamento de vida selvagem do HSI/África, disse: “Estamos extremamente preocupados com o destino desses elefantes. Na natureza, os filhotes permanecem estreitamente ligados aos seus grupos familiares de nascimento, com as fêmeas nunca deixando suas famílias e os machos saindo apenas entre 12 e 15 anos de idade”.

“Tirar à força esses filhotes de elefantes da natureza é um ato totalmente bárbaro, tanto para eles quanto para as famílias enlutadas que deixam para trás, pior ainda é condená-los ao cativeiro na China o que será uma sentença para a vida toda”, disse a bióloga.

“Se o Zimbábue avançar com a operação e enviar esses animais para cativeiro, apesar da decisão da CITES, isso mostrará uma terrível falta de respeito pela lei internacional de conservação e proteção da vida selvagem”.

Foto: Metro UK/Reprodução
Foto: Metro UK/Reprodução

Delsink considera que “O governo do Zimbábue tem uma pequena janela de oportunidade para colocar a moral antes do dinheiro e permitir que esses jovens elefantes vivam novamente entre sua própria espécie em um santuário, e para impedir qualquer captura futura”.

Lenin Chisaira, advogado ambiental da Advocates4Earth, acrescentou: “O segredo em torno da captura e comércio em curso da vida selvagem do Zimbábue expõe falta de responsabilidade, transparência e uma pitada de arrogância pelas autoridades zimbabuanas”.

“Eles parecem preparados para seguir em frente, apesar dos protestos e conselhos globais. Também parecem ir contra a pressão local e os processos legais locais”, concluiu o advogado”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui