Final feliz

Transferência da elefanta Lady para santuário deve ser feita em até 45 dias

Foto: Alessandro Potter/Secom-JP

Antes de chegar ao zoológico de João Pessoa (PB), Lady foi explorada em espetáculos circenses por quase 40 anos


Uma audiência de conciliação entre membros de ONGs, da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), do Ibama e do Santuário de Elefantes Brasil (SEB), realizada na quarta-feira (30) na sede da Justiça Federal na Paraíba, estabeleceu um prazo de até 45 dias para a execução da transferência da elefanta Lady para o santuário.

O chefe do Parque Zoobotânico Arruda Câmara, conhecido como Bica, Thiago Nery afirmou que o santuário tem as condições necessárias para cuidar da elefanta.

Foto: Alessandro Potter/Secom-JP

“Não podíamos em hipótese nenhuma enviar um animal para outro local sem atestar a qualidade do outro recinto. Lady é um animal que vai poder se socializar com outros animais”, explicou.

Lady vive na Bica, em João Pessoa (PB), onde é explorada para entretenimento humano ao ser exposta para os visitantes. A história dela começou a mudar quando o Ministério Público Federal abriu um inquérito, em junho, para investigar a situação dela após serem feitas denúncias de maus-tratos e também por conta de Lady ter derrubado a cerca de seu recinto e fugido da área protegida do zoológico.

Emitido em julho, um laudo entregue ao MPF concluiu que Lady estava com a doença que mais mata elefantes em cativeiro no mundo e que corria risco de morte. Além disso, o documento atestou que a elefanta está sofrendo maus-tratos no zoológico por conta da falta de estrutura adequada, da ausência de capacitação dos funcionários e de negligência veterinária e administrativa. O laudo relata ainda que Lady passou por violência psicológica por parte de um tratador.

O diretor da Bica, Jair Azevedo, negou as denúncias e disse que a elefanta recebe os cuidados necessários, inclusive tratamento para a doença nas patas – chamada pododermatite.

Em outubro, o santuário afirmou, por meio de nota, que estava “profundamente preocupado” com a “grave situação” da elefanta e que se responsabilizaria pela transferência do animal, sem cobrar pelas despesas.

Lady chegou ao zoológico em 2014. Antes disso, ela foi explorada por circos durante quase 40 anos. Nascida em cativeiro, sem qualquer chance de viver a vida em liberdade, a elefanta foi doada à Prefeitura de João Pessoa (PB) após ser vítima do Circo Europeu Internacional.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui