RETROCESSO

Senado aprova criação do Dia Nacional do Rodeio

Data será celebrada no dia 4 de outubro, quando se comemora o Dia Mundial dos Animais e o Dia de São Francisco de Assis

Pouco se fala também no estresse ao qual o animal é submetido na arena não somente em decorrência da violência física, mas também do barulho, da narração do locutor e da gritaria (Foto: André Silva)
Pouco se fala também no estresse ao qual o animal é submetido na arena não somente em decorrência da violência física, mas também do barulho, da narração do locutor e da gritaria (Foto: André Silva)

O Senado aprovou esta semana o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 108/2018, de autoria do deputado Capitão Augusto (PL-SP), que cria o Dia Nacional do Rodeio, a ser celebrado no dia 4 de outubro, data em que se comemora o Dia Mundial dos Animais e o Dia de São Francisco de Assis.

Em defesa do projeto no Senado, o senador Wellington Fagundes (PL-MT), alegou que o rodeio é uma tradição, principalmente no interior do país. Instituir o Dia Nacional do Rodeio é zombar dos animais e dos brasileiros. A defesa da atividade tem apenas um interesse – econômico. O rodeio sequer é brasileiro, logo não faz o menor sentido associá-lo à ideia de elemento cultural nacional.

Em sua justificativa, Fagundes destacou que é médico veterinário e que, ao contrário do que é disseminado de forma equivocada, nos rodeios o bem-estar animal está em primeiro lugar.

Se isso é verdade, por que a cada ano cresce no Brasil e no mundo as campanhas e a oposição popular aos rodeios? A verdade é que mais pessoas estão entendendo que a defesa dos rodeios não tem nada a ver com a defesa da tradição, mas sim com dinheiro.

Há muitos relatos e testemunhos contra os rodeios envolvendo maus-tratos. Há inúmeras organizações e grupos em defesa dos animais compartilhando vídeos dessa realidade. Pouco se fala também no estresse ao qual o animal é submetido na arena não somente em decorrência da violência física, mas também do barulho, da narração do locutor e da gritaria.

Ademais, com exceção da montaria em cutiano, todos os outros elementos do rodeio são importados dos Estados Unidos – incluindo trajes, equipamentos e termos. Na defesa da prática, Fagundes disse que o rodeio nasceu do trabalho nas fazendas. Sim, mas não no Brasil. Prova disso é que o verdadeiro sertanejo brasileiro, criado na roça, não se veste e nunca se vestiu como o romanesco “cowboy americano”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui