Banalização do mal

Programa de TV desafia famílias a enviarem animais para a morte

Programa desafia famílias que consomem muita carne a conviverem com um animal criado para consumo por três semanas antes de enviá-lo à morte

Eles também deverão cozinhá-lo e consumir sua carne (Foto: Divulgação/Canal 4)
Eles também deverão cozinhá-lo e consumir sua carne (Foto: Divulgação/Canal 4)

Um novo programa de TV chamado “Meat The Family”, do Canal 4, do Reino Unido, desafia famílias que consomem muita carne a conviverem com um animal criado para consumo por três semanas antes de enviá-lo ao abate. Eles também deverão cozinhá-lo e consumir sua carne. A data de estreia ainda não foi anunciada.

A proposta do programa é desafiar os hábitos culturais humanos quando confrontados com uma realidade que normalmente é negligenciada por quem está acostumado às facilidades de comprar carne no mercado ou açougue, sem a necessidade de pesar o que existe por trás daquele produto despersonalizado e ao alcance das mãos do consumidor.

Caso as famílias se neguem a comer a carne do animal, ou até mesmo rejeitem a ideia de continuarem comendo carne em geral, os animais serão encaminhados para um santuário. Segundo o Canal 4, no programa as famílias deverão conviver com animais como cordeiro, porco, frango ou galinha e bezerro.

A emissora também afirma que o programa tem o potencial de chamar atenção para o comportamento e a inteligência de alguns dos animais mais explorados e mortos para atender altas demandas de consumo, ainda que o preço disso seja ignorar o sofrimento animal e o impacto ambiental.

O jornal britânico The Guardian está classificando o programa como “um dos ultimatos mais chocantes da televisão” com a mensagem: “Seja vegetariano ou matamos seu animal de estimação” – em referência ao convívio que os participantes terão com “animais de fazenda”.

A expectativa é de que o programa mude algo na mente e na sensibilidade não apenas dos participantes, mas também dos espectadores, que testemunhando a rotina desses animais possam rever seus conceitos legitimados de consumo.

Desde que o programa foi anunciado esta semana, as controvérsias já começaram. A analista Virginia Mouseler, fundadora da empresa de mídia digital The Wit, definiu o programa como o “mais transgressivo” do ano no MIPCOM, realizado em Cannes, na França, e considerado o maior mercado de entretenimento do mundo.

“Não é mais sexo ou drogas. A carne está se tornando o próximo tabu”, acrescentou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui