Retrocesso

PLC que cria “Dia do Rodeio” segue para sanção de Bolsonaro

Projeto foi submetido à votação ontem (16) após a da semana passada ter sido cancelada

O que surpreende também é que com a sanção de Bolsonaro o Dia Nacional do Rodeio será celebrado no dia 4 de outubro, data em que se comemora o Dia Mundial dos Animais e o Dia de São Francisco de Assis | Foto: Pixabay
O que surpreende também é que com a sanção de Bolsonaro o Dia Nacional do Rodeio será celebrado no dia 4 de outubro, data em que se comemora o Dia Mundial dos Animais e o Dia de São Francisco de Assis | Foto: Pixabay

O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 1908/2018, que cria o Dia Nacional do Rodeio, foi submetido à votação na última quarta (16) no Senado após a da semana passada ter sido cancelada. No entanto, o resultado foi previsível. O projeto foi aprovado e agora segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Defensor dos rodeios, o relator do PLC, senador Wellington Fagundes (PL-MT), disse que a iniciativa reconhece a “importância da atividade no Brasil”, onde são realizados mais de dois mil rodeios por ano. Segundo Fagundes, o rodeio gera empregos e movimenta a economia local.

Por outro lado, não houve menção ao fato de que tal geração de renda depende de forçar animais a participarem de uma atividade que impõe privação, estresse, sofrimento e redução de expectativa de vida – já que animais que se ferem nos rodeios são sacrificados caso já não sirvam à atividade.

O que surpreende também é que com a sanção de Bolsonaro o Dia Nacional do Rodeio será celebrado no dia 4 de outubro, data em que se comemora o Dia Mundial dos Animais e o Dia de São Francisco de Assis. Vale lembrar que o rodeio não é parte da identidade cultural brasileira, já que se trata de prática importada.

Para quem acredita na possibilidade de o presidente não sancionar o PLC, talvez seja válido lembrar que no dia 17 de agosto Jair Bolsonaro disse, durante a 64ª Festa do Peão Boiadeiro de Barretos (SP), que está ao lado dos apoiadores de rodeios e vaquejadas e declarou ser contra o “grupo do politicamente correto, que quer impedir festas desse tipo no Brasil”.

“Respeito todas as instituições, mas lealdade eu devo a vocês. O Brasil está acima de tudo. Neste momento em que muitos criticam a festa de peões e a vaquejada, quero dizer com muito orgulho que estou com vocês. Não existe politicamente correto. Existe o que precisa ser feito”, discursou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui