Saúde

Médicos pedem a órgão regulador que inclua o câncer entre os riscos do consumo de queijo

Laticínios contém estrogênio (hormônio) proveniente das vacas. Quando o leite é convertido em queijo, os estrogênios ficam mais concentrados, aumentando a probabilidade de doenças

Foto: PCRM
Foto: PCRM

O Comitê de Médicos para Medicina Responsável (PCRM, sigla em inglês) está pedindo à FDA – Agência Reguladora de Alimentos e Medicamentos dos EUA que coloque avisos de risco câncer de mama nas embalagens de queijo.

Composto por 12 mil profissionais médicos, o PCRM gostaria que os produtos de queijo tivessem etiquetas de aviso semelhantes às que são expostas nos maços de cigarro. Ele dá um exemplo de como seriam os alertas na petição: “o queijo de origem animal contém hormônios reprodutivos que podem aumentar o risco de mortalidade por câncer de mama”.

O câncer de mama está entre as causas mais comuns de morte em mulheres, de acordo com o Centers for Disease Control. O PCRM apresentou sua petição em 3 de outubro, no início do mês de conscientização sobre o câncer de mama.

“Em vez de fabricantes de queijo colocarem uma fita rosa em produtos como o Philadelphia Cream Cheese e o macarrão com queijo, como fizeram nos meses anteriores de conscientização sobre o câncer de mama, eles deveriam adicionar etiquetas de aviso”, disse o presidente do PCRM, o médico Neal Barnard, em uma declaração. Queremos que as mulheres estejam cientes de que o queijo de origem animal pode colocá-las em risco de morrer de câncer de mama”.

Laticínios e câncer de mama

Laticínios contém estrogênio (hormônio) proveniente das vacas. Quando o leite é convertido em queijo, os estrogênios ficam mais concentrados. “Embora sejam apenas vestígios, eles parecem ser biologicamente ativos em seres humanos, aumentando a mortalidade por câncer de mama”, diz o PCRM.

Foto: PCRM
Foto: PCRM

O Comitê se refere a um estudo – conhecido como The Life After Cancer Epidemiology (Avida após a Epidemiologia do Câncer) – que constatou que, entre as mulheres diagnosticadas anteriormente com câncer de mama, aquelas que consomem uma ou mais porções de produtos lácteos com alto teor de gordura todos os dias tiveram uma mortalidade por câncer de mama 49% maior, se comparadas com aquelas que consumiam menos da metade das porções estimadas todos os dias.

A cirurgiã de mama de renome mundial, Dra. Kristi Funk, falou sobre a ligação entre câncer de mama e produtos de origem animal.

Ela disse ao Livekindly: “a resposta celular do corpo ao consumo de proteínas e gorduras animais é o que alimenta e dá combustível às doenças e, ao mesmo tempo, prejudica a saúde e leva a morte”. A especialista acrescentou: “Os níveis de estrogênio aumentam, os hormônios do crescimento disparam, a inflamação é abundante, os radicais livres circulam células danificadas e mudam o DNA”.

Funk está trabalhando junto ao PCRM – assim como várias celebridades – em uma nova campanha vegana intitulada “Vamos vencer o câncer de mama”. A campanha incentiva as pessoas a se comprometerem a comer mais alimentos à base de vegetais, a se exercitar regularmente, limitar o consumo de álcool e a manter um peso saudável.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui