Impacto ambiental

Lata de refrigerante extinto há mais de 20 anos é levada à praia pelo mar

Foto: Renato Miranda

Uma lata de refrigerante de uma marca extinta há mais de 20 anos foi levada pelo mar à areia da praia na Ilha das Palmas, em Guarujá (SP). Especialistas alertam que a lata de alumínio ficou no oceano por anos até chegar na areia.

Foto: Renato Miranda

O objeto, que mantém as cores originais e tem na embalagem uma reflexão sobre o descarte de lixo, foi encontrado pelo portuário Renato Lemos Miranda.

“Ela estava entre as pedras, mais para o fundo. Usei um pedaço de ferro, que deve ter chegado também com a maré, e puxei a latinha”, contou ao G1. Após lavar a lata, Miranda observou que a validade do refrigerante era de novembro de 1998.

“Fiquei até chateado, não é bacana. Fiz uma postagem nas redes sociais para criar um pouco de senso nas pessoas sobre os impactos que causamos na natureza”, disse.

A geógrafa e mestre em Tecnologia Ambiental, professora da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), Técia Bérgamo, afirma que não dá para apontar a origem da lata e o que motivou a aparição dela em Guarujá.

“Quando verificamos algum tipo de resíduo ou lixo, percebemos de forma silenciosa que os oceanos estão sofrendo. Sobre a origem, primeiramente, só pensamos na atividade humana, mas tem a questão das inundações, que contribuiu para levar esse lixo para o mar, os ventos, os rios poluídos. Além disso, nossa região tem as plataformas petrolíferas e o transporte marítimo”, explicou.

A lata, segundo Tecia, não se corrói no oceano e o processo final de decomposição de seu material leva mais de mil anos para ocorrer.

Segundo a geógrafa, a aparição da lata na praia expõe a grande quantidade de lixo jogado no meio ambiente no decorrer dos anos.

Foto: Renato Miranda

“Consequência disso é a perda de biodiversidade e a redução de recursos. É resultado da má gestão dos resíduos sólidos nas cidades e a falta de conscientização da população. Há necessidade de políticas públicas para que nenhum material ou resíduo chegue nas praias. O mar está devolvendo o que ele recebeu”, alertou.

A lata ficou com Miranda, que a levou para casa e a colocou ao lado da lata de cerveja de 1995 que ele encontrou em Guarujá, na Praia do Sangava, em 2015. Apesar disso, ele não pretende continuar com o refrigerante e aceita doá-lo para uma instituição que defenda a causa ambiental.

As reflexões feitas por Miranda tem seu pai como inspiração. Já falecido, ele realizava mutirões de limpeza nas praias.  “Encontrar a latinha me fez perceber o quanto nossos impactos podem ser negativos por tanto tempo”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui