Esperança

Considerado extinto, tigre-da-tasmânia volta a ser visto na Austrália

Oficialmente extinta há mais de 80 anos no estado da Tasmânia, os registros da espécie nos relatórios do governo apontam oito avistamentos relatados desde setembro de 2016

Uma série de registros visuais de tigres-da-tasmânia, também conhecidos como lobos-da-tasmânia, foram documentados nos últimos três anos, de acordo com relatórios do governo australiano, apesar do animal ser considerado extinto há muito tempo.

A espécie felina, conhecida como (Thylacinus cynocephalus), teria sido extinta há mais de 80 anos na Tasmânia e há cerca de 2 mil anos no continente australiano.

O tigre-da-tasmânia foi oficialmente extinto na Austrália quando o último membro conhecido da espécie – chamado Benjamin – morreu no zoológico de Hobart em 1936.

Mas pelo menos oito avistamentos foram relatados desde setembro de 2016, de acordo com documentos do Departamento de Indústrias, Parques, Água e Meio Ambiente da Tasmânia.

O relatório sobre os animais mais recente foi em agosto, o documento afirmava que uma pessoa pensava ter “visto um tigre-da-tasmânia em sua terra sete anos atrás”, em Midlands.

Um casal da Austrália Ocidental relatou ter visto um tigre-da-tasmânia enquanto atravessava a estrada perto do rio Pieman, na região da costa oeste da Tasmânia em janeiro de 2018.

“O animal tinha uma cauda rígida e firme, grossa na base. Tinha listras nas costas”, dizia o relatório. “Ele era do tamanho de um grande kelpie (raça de cão pastor australiano). O animal estava calmo e não se assustou”.

O casal assistiu o animal atravessar a rua por cerca de 15 segundos.

Foto: PB Image
Foto: PB Image

“O animal andou do lado direito da estrada por um bom tempos e depois passou para o outro lado da estrada de cascalho, virou-se e olhou para o veículo algumas vezes e depois voltou na mesma ‘corrida’ em que veio”, dizia o relatório.

Um ciclista disse que viu um animal parecido com um gato com listras nas costas e pêlo marrom escuro cruzando a estrada perto de King William Saddle na estrada Lyell em fevereiro de 2018.

“O animal era um pouco mais alto nas patas traseiras do que na frente”, dizia o relatório – “Tinha um corpo comprido, do tamanho de um cão labrador, mas mais baixo e mais magro, por isso parecia esticado em certo sentido e tinha uma cauda fina que apontava para trás”.

“Não fazia sentido para mim que ele fosse um gato típico, em termos de localização, comportamento e pela forma como andava, era óbvio que não era uma raposa também.”

Um avistamento do animal foi relatado no norte de Waratah em janeiro de 2017, com um movimento de andar descrito como sendo um “meio trote, meio corrida” pela estrada na frente de um veículo.

“A cauda se destacava como tendo pelo menos um pé ou dois pés de comprimento. Era óbvio que, se fosse um gato, era grande demais”, dizia o relatório.

Não há evidências concretas de nenhum dos avistamentos relatados, segundo o Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui